Morador relata que banheiro de R$ 300 mil não foi construído

Do Blog Marrapá

image-300x275O Blog Marrapá visitou o povoado de Curralinho, em Humberto de Campos, para verificar a existência do banheiro no valor de R$ 271.922,55, contratado pelo secretário de Desenvolvimento Social (Sedes), Fernando Fialho.

O valor foi repassado na véspera das eleições de 2012 à Associação Beneficente Senhora Santana. A entidade é ligada à servidora pública Neide Sabóia, que foi derrotada na disputa do ano passado pela prefeitura de Humberto de Campos. Ela é correligionária da governadora Roseana Sarney.

No povoado, localizado a 17 km da sede do município, foi constatado que não existe banheiro, água encanada, nem qualquer sinal de saneamento básico.

Morador do povoado há 40 anos, Raimundo José Lopes denunciou que as 30 famílias residentes na área chegaram a se cadastrar para receber kits sanitários. No entanto, passado quase um ano da assinatura do convênio, nenhuma benfeitoria foi realizada pelo governo do estado.

Veja o depoimento do senhor Raimundo:


Aberta consulta pública sobre Conselho de Comunicação

Secretários Márcio Jerry e Robson Paz coordenam reunião do Grupo de Trabalho

Secretários Márcio Jerry e Robson Paz coordenam reunião do Grupo de Trabalho

A Secretaria de Comunicação (Secom) disponibilizou, a partir desta segunda-feira (19), no site da Prefeitura de São Luís (www.saoluis.ma.gov.br), a minuta do anteprojeto de lei propondo a criação do Conselho Municipal de Comunicação. O material estará disponível para consulta pública e, consequente, apresentação de sugestões.

As alterações propostas na consulta aberta poderão ser inseridas em um campo para sugestões do link consulta pública na página da Secom, onde o internauta preencherá um formulário de identificação. A ideia é colher sugestões até 31 de agosto, segundo calendário estabelecido pelo Grupo de Trabalho reunindo poder público e segmentos da sociedade civil em torno da proposta de criação do conselho.

“O conselho será um ambiente de diálogo, umas das principais diretrizes da gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, buscando sempre ampliar a interação entre a Prefeitura de São Luís e a população”, afirma o secretário adjunto de Comunicação, Robson Paz.

Quatro reuniões já foram realizadas pelo GT desde a convocação da Secom para discutir o assunto. Representantes do poder público municipal e de segmentos como sindicatos dos radialistas, dos jornalistas, agências de propaganda, ONGs, universidades, dentre outros vêm debatendo temas para construção da minuta do anteprojeto de lei.

“Encerrado o período de consulta vamos sistematizar as informações e seguir o calendário estabelecido pelo Grupo de Trabalho. Juntos, vamos deliberar para verificarmos o que pode ser aproveitado das sugestões apresentadas ao anteprojeto. Todas as sugestões serão submetidas à apreciação do grupo”, adianta Robson Paz.

Seguindo o calendário, a próxima reunião do grupo será em 3 de setembro. Depois de concluída a primeira versão da minuta do anteprojeto de lei lastreada pela consulta pública, a Secretaria de Comunicação irá convocar todos os atores envolvidos no processo para audiência pública, ampliando a participação da sociedade e cidadãos.

“Trabalhamos para termos um projeto de lei referendado pela sociedade a partir da consulta e da audiência pública”, afirma Robson Paz. Ele garante que o Conselho será mais um espaço de discussão e diálogo do gestor com a população. “Servirá para intensificar a efetiva democratização da Política de Comunicação do Município”, define.

Segundo o calendário do GT a audiência está marcada para o dia 10 de setembro. A etapa seguinte será o parecer jurídico da Procuradoria Geral do Município (PGM).

Após o parecer, o projeto de lei será encaminhado pelo Executivo à Câmara de Vereadores de São Luís. “A criação do Conselho Municipal de Comunicação é um dos pré-requisitos para o município pleitear junto ao Ministério das Comunicações a outorga da TV Cidadania e nossa expectativa é que possamos iniciar esta etapa do processo até o final do ano”, comenta Paz.

Pela proposta do Projeto de Lei o Conselho Municipal de Comunicação será formado por 32 integrantes, sendo 16 titulares e o mesmo número de suplentes. Oito dos titulares, e igual número de suplentes, representarão o poder público.


Pesquisa aponta queda na avaliação do governo Roseana

Do Jornal Pequeno

AMOSTRAGEM

A desaprovação à administração da governadora cresceu 13,61 pontos percentuais em quatro meses

Aumenta a insatisfação com o governo de Roseana Sarney. A pesquisa realizada pelo Instituto Amostragem em parceria com o Jornal Pequeno apontou que 60,38% dos maranhenses dizem não aprovar o governo de Roseana Sarney enquanto 35,31% dizem que aprovam a atual administração. 4,31% não sabem ou não responderam.

A pesquisa do Instituto Amostragem realizada em 40 municípios maranhenses entre os dias 9 e 11 de agosto mostra que aumentou a rejeição ao governo de Roseana Sarney em relação a abril de 2013. Em abril, a diferença em abril era de 48,54% de aprovação para 46,77% de rejeição. 4,69% não sabiam ou não responderam.

A rejeição ao governo de Roseana cresceu 13,61 pontos percentuais em quatro meses. A avaliação da imagem do governo de Roseana Sarney também teve acentuado crescimento da avaliação negativa.

JP24491.3

Na pesquisa de agosto, 29,15% dos maranhenses avaliaram o governo como “péssimo” e 14,54% como “ruim”. Somados os dois quesitos, 43,59% dos entrevistados têm uma avaliação muito ruim das ações do governo do estado. 33,77% avaliam o governo como “regular”, 16,23% como “bom” e 4,92% como ótimo. 1,38% disseram que não sabem ou não responderam.

Em comparação com os números levantados em abril, a avaliação negativa do governo Roseana também aumentou. Os entrevistados que avaliavam o governo como “péssimo” somavam 15,85% e “ruim”, 15%. Somados, 30,85% dos maranhenses tinham avaliação muito negativa do governo Roseana. O aumento da desaprovação foi de 12,74 pontos. “Regular” era 36,38% em abril, “bom” era 22,92% e “ótimo”, 6,77%. Não sabiam ou preferiram não responder somavam 3,08%.

Governo Federal – A pesquisa avaliou também a aprovação do Governo Federal em agosto. A aprovação do governo de Dilma Rousseff (PT) é de 70,69% contra 26,38% de desaprovação. 2,92% disseram não saber ou preferiram não responder.

Pesquisa para governo estadual – Na edição do último domingo, o Jornal Pequeno divulgou os números da sucessão estadual a partir da pesquisa feita pelo Instituto Amostragem. Os números apontam vitória do candidato de oposição ao governo Roseana Sarney. Se as eleições fossem hoje, Flávio Dino venceria em primeiro turno em todos os cenários apontados pela pesquisa.

Num eventual segundo turno, a diferença entre Flávio Dino e o candidato apoiado pelo governo do estado é de 41,69 pontos percentuais. Na disputa, Flávio Dino teria 60,92% dos votos contra 19,23% de Luís Fernando Silva. 8,23% votariam em branco ou nulo e 11,62% não sabem/não responderam.


Flávio Dino vence no 1º turno em todos os cenários

Do Jornal Pequeno

PESQUISA AMOSTRAGEM

JP_Edicao_24489A um ano do início da propaganda eleitoral de rádio e TV, o ponto de partida das eleições de 2014 já começa a se desenhar. O Instituto Amostragem realizou pesquisa para avaliar o quadro em todo o estado e aponta vitória do candidato da oposição e presidente da Embratur, Flávio Dino (PCdoB), em todos os cenários.

Contra Luís Fernando (PMDB), candidato apoiado pelo grupo Sarney, Flávio Dino tem vantagem de 41,69 pontos percentuais. A pesquisa avaliou ainda os cenários de disputa com Edison Lobão (PMDB) e Eliziane Gama (PPS).

Em uma eventual disputa entre Flávio Dino, Luís Fernando e Eliziane Gama, o primeiro teria 56,69%, contra 16,69% do candidato do governo e 8,38% da candidata do PPS; 7,46% dizem que votariam em branco ou nulo e 10,77% disseram não saber ou preferiram não responder.

Já quando Luís Fernando é substituído pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o cenário fica com 55,46% para Flávio Dino, 23,15% para Lobão e 7,85% para Eliziane Gama. Brancos somam 7,08% e não sabem em quem votariam, 6,46%.

Os cenários apontam que a oposição venceria as eleições em primeiro turno, caso a disputa acontecesse hoje e, com uma eventual candidatura de Eliziane Gama, a transferência de votos da candidata do PPS aconteceria em igual medida proveniente do candidato de oposição e do apoiado pelo governo do Estado.flavio_23031

A pesquisa avaliou também os cenários relacionados a um eventual segundo turno nas eleições para governador e apontou que o candidato de oposição ao grupo Sarney vence a disputa contra os dois possíveis nomes apoiados pelo governo do Estado.

Na disputa contra Luís Fernando, Flávio Dino aparece com 60,92% dos votos contra 19,23% do peemedebista. 8,23% votariam em branco ou nulo e 11,62% não sabem/não responderam. A diferença entre os percentuais dos dois candidatos é de 41,69 pontos.

Já quando o segundo turno acontece numa disputa entre Flávio Dino e Lobão, a diferença é de 36 pontos. Flávio Dino teria 60,69% dos votos, caso as eleições fossem hoje, e o ministro de Minas e Energia, 24,69%. Brancos e nulos, 7,31% e não sabe ou não opina, 7,31%.

O Instituto Amostragem entrevistou 1.300 pessoas em 40 municípios maranhenses entre os dias 9 e 11 de agosto. A amostra tem margem de erro de 2,66% para mais ou para menos.

Rejeição – A pesquisa avaliou também a rejeição dos principais pré-candidatos ao governo do Estado. Quando perguntados em quem “não votaria de jeito nenhum” para governador em 2014, o ministro de Minas e Energia aparece com o maior índice (39,54%) e Flávio Dino com o menor índice (15,62%).

O cruzamento dos dois cenários aponta que o candidato da oposição possui maior índice de intenções de voto e tem a menor rejeição. O pré-candidato do governo, Luís Fernando, tem índice de rejeição de 18,92%, percentagem equivalente à intenção de votos nos cenários apontados.

A segunda maior rejeição é do presidente da Assembleia Legislativa, Arnaldo Melo, com 28,85%, seguido da deputada estadual Eliziane Gama (23,69%). Nesse quesito, os entrevistados podiam apontar mais de um candidato para não votar, e, portanto, a soma pode ultrapassar os 100%.

Sobre rejeição, 11,69% disseram que não sabiam ou preferiram não opinar e 9,23% disse que não rejeita nenhum dos candidatos.

Governo federal – A presidente Dilma Rousseff (PT) continua liderando as intenções de voto no Maranhão com 54,69% das intenções de voto. Em segundo lugar vem Marina Silva (sem partido), com 23,69%, seguida de Aécio Neves (PSDB) com 7,31% e Eduardo Campos (PSB), com 3,15%. 5,31% disseram que votariam em branco ou nulo e outros 5,85% preferiram não opinar.


Manifestantes protestam em frente à casa de Sarney

Do Blog do John Cutrim

DAIENE CARDOSO – Agência Estado

MansaoSarneyComo não conseguiram ter acesso à residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), um grupo de treze manifestantes faz neste sábado um protesto na frente da casa do senador José Sarney (PMDB-AP). No entanto, Sarney está internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Simbolicamente, foi montada uma barraca na frente da casa do senador e um grupo de policiais militares está posicionado em frente ao portão da residência.

Mais cedo, foi montada uma barreira de segurança na rua onde vive Renan Calheiros. A polícia legislativa faz o controle da entrada dos moradores que ocupam nove casas no local. A polícia militar também tem circulado pela região para monitorar o acesso dos manifestantes.

O protesto foi organizado por meio de redes sociais e o objetivo inicial era ocupar a rua de Calheiros. O grupo faz parte do movimento “Fora Renan”.


Época cita neto de Sarney em esquema de lobby na Petrobras

Do Blog do John Cutrim

O neto do senador José Sarney, o economista Adriano Sarney, é citado em reportagem da revista Época deste final de semana por suposta participação em negócios envolvendo lobistas no esquema de propina do PMDB na Petrobras, comandando pelo lobista João Augusto Henriques.

Adriano Sarney

Adriano Sarney

De acordo com a revista, ao lado do lobista Felipe Diniz (filho do deputado Fernando Diniz) Adriano Sarney participou dos expedientes usados por João Augusto para entregar propina em Brasília a deputados do PMDB.

“Segundo documentos comerciais e depoimentos de cinco lobistas do PMDB, ele [Felipe Diniz] se associou aos amigos de Brasília Bruno Queiroga, um jovem advogado, e ao economista Adriano Sarney, neto do senador José Sarney. Juntos, passaram a intermediar negócios no governo. Segundo esses lobistas, em Brasília os três eram conhecidos como “maluquinhos”, em virtude da ousadia com que exibiam seu poder na capital”, revela Época.

João Augusto e os demais lobistas dizem que eles faziam o que lhes era pedido, como entregar dinheiro em Brasília. Um Toyota Corolla ficava à disposição dos três para o serviço. Segundo os lobistas, botavam o dinheiro no porta-malas e partiam para mais uma “viagem de negócios”, como eles diziam aos demais integrantes do grupo.

Procurados, Felipe e Adriano não responderam às repetidas tentativas de contato de ÉPOCA até o fechamento da edição.

De “60% a 70%” do dinheiro arrecadado das empresas que faziam negócio na Diretoria Internacional da Petrobras, comandada pelo PMDB, era repassado a deputados do partido em Brasília.

O repasse tinha por objetivo vencer as dificuldades impostas pelo então presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, do PT, à assinatura do contrato. Dias antes da eleição de Dilma, Gabrielli o aprovou.

Veja AQUI a íntegra da reportagem.


Bequimão: prefeitura recebeu R$ 1,2 milhão em julho

A Prefeitura de Bequimão recebeu R$ 1,2 milhão em transferências constitucionais no mês de julho deste ano. Deste total, R$ 713,2 mil são referentes ao Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico (Fundeb), enquanto o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) é responsável por irrigar as contas do município em R$ 522,5 mil no mês passado.

Dados divulgados pelo Tesouro Nacional

Dados divulgados pelo Tesouro Nacional

No valor acumulado do ano, a administração do prefeito Zé Martins (PMDB) já recebeu mais de R$ 11,9 milhões só em repasses constitucionais. Não estão inclusos os recursos repassados para investimentos e manutenção da rede municipal de saúde, além dos convênios federais, que serão alvo de outros posts.

FundosJan-Jul13

O caixa da prefeitura vai mito bem obrigado! Já o município…

 

 


Flávio Dino fala sobre “inflação da Copa” no Valor Econômico

ValorEconomicoEm entrevista ao jornal Valor Econômico, de circulação nacional, o presidente da Embratur Flávio Dino falou sobre a “inflação da Copa”, quando a rede hoteleira brasileira começa a praticar preços muito acima da média devido ao evento esportivo que acontecerá no Brasil no próximo ano.

Na reportagem de capa do imprenso, Flávio Dino alerta que os altos preços cobrados durante a Copa podem caracterizar o Brasil como um “destino caro” frente aos turistas internacionais. No início deste ano, a Embratur atuou junto à Secretaria Nacional do Consumidor e do Ministério da Justiça para evitar o abuso na alta de preços no período da Copa.

Abaixo, a íntegra da matéria:

A “inflação da Copa” chega a 583% em hotéis

As diárias que estão sendo cobradas nas reservas de hotéis para a Copa do Mundo incorporam um aumento de até 583% em relação às verificadas no mês passado. Foi o que concluiu a Embratur após um amplo levantamento nas 12 cidades-sede da Copa de 2014. Segundo a pesquisa, a tarifa média no Rio é de US$ 461, em comparação aos US$ 200 de Johannesburgo, na Copa da África do Sul (2010), e US$ 300 em Berlim, na da Alemanha (2006).

O presidente do Embratur, Flávio Dino, está preocupado com o que os técnicos do órgão estão chamando de “inflação da Copa”. Ele teme que os altos preços dos hotéis possam não só prejudicar as vendas de pacotes para o evento como também fixar a imagem do Brasil como um destino turístico caro. “Isso justamente quando o país deve bater a barreira histórica de 6 milhões de turistas por ano”, disse Dino ao Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor.

Diária de hotel sobe mais de 500% para a Copa, aponta pesquisa da Embratur

Por Raymundo Costa | De Brasília

A Embratur concluiu um amplo levantamento sobre as diárias de hotel a ser cobradas nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo, em 2014, e descobriu variações de até 583%, em relação aos preços cobrados tendo como base o último mês de julho.

O presidente do Embratur, Flávio Dino, está preocupado com o que os técnicos do órgão estão chamando de “inflação da Copa”, que ocorreria com a contaminação dos preços do setor de serviços, a partir das diárias exorbitantes cobradas pelos hotéis.

Além da “inflação da Copa”, os altos preços dos hotéis devem ter impactos, na sequência, para o desenvolvimento do setor turismo no país, com a fixação da imagem do Brasil como a de “um destino turístico caro”, afirma Dino. “Isso justamente quando o país deve bater a barreira histórica de 6 milhões de turistas ao ano”, disse.

Entre 2008 e 2012, houve aumento de 300% na diferença entre a receita do país com os estrangeiros e a despesa dos brasileiros no Exterior. A Embratur teme que a imagem de “país caro” possa atrapalhar as políticas para aumentar o número de turistas no Brasil e tentar equilibrar esses números.

Entre 2008 e 2012, houve aumento de 300% na diferença entre a receita do país com os estrangeiros e a despesa dos brasileiros no Exterior. A Embratur teme que a imagem de “país caro” possa atrapalhar as políticas para aumentar o número de turistas no Brasil e tentar equilibrar esses números.

Sem mecanismos de política de combate à inflação a mãos, o presidente da Embratur enviou um ofício, ainda em junho, para a Secretária Nacional do Consumidor, órgão do Ministério da Justiça com poderes para acionar os Procons. Para a Copa, a tarifa média no Rio de Janeiro é de US$ 461, contra US$ 200 em Johannesburgo, na África do Sul, e US$ 300 em Berlim, na final da Copa da Alemanha, países que sediaram as duas últimas versões da competição de futebol.

No ofício à Secretaria Nacional do Consumidor Flávio Dino é duro com a operadora de viagens da Fifa, que bloqueou grande parte dos quartos disponíveis na rede hoteleira. Os preços cobrados pela agência estariam influindo decisivamente na elevação das tarifas, segundo Dino. “É provável que a operadora Match esteja praticando comissões de intermediação muito acima do que costuma ser praticado no mercado turístico em detrimento dos potenciais consumidores”, diz o presidente da Embratur no ofício.

Em junho, a Embratur fez o mesmo levantamento em nove capitais que terão jogos da Copa de 2014 e encontrou uma variação de diárias de até 376%. O atual levantamento foi realizado em todas as capitais e identificou variações de até 583%, em Salvador, Bahia.

A “inflação da Copa”, termo cunhado na Embratur, é prevista para ocorrer já com o país em plena campanha eleitoral e pode ser um fator de desgaste para o governo. Para o mesmo período é prevista a volta de manifestações como aquelas vistas em junho.

O último levantamento feito pela Embratur faz uma comparação entre os hotéis selecionados já disponíveis para reserva pelo site da FIFA com tarifas em dólar. Em geral as variações em relação a junho, mês em que foi realizada a Copa das Confederações, e até julho e agosto superam a marca dos 100%. O segundo hotel com maior variação também está na capital da Bahia, com um percentual de 397% a mais na diária da Copa em relação ao que era cobrado em julho passado.

No ofício ao Ministério da Justiça, Flávio Dino diz ainda que a FIFA, em conjunto com a Match, impõe exigências de quantidade mínima de diárias para o turista que deseja se acomodar em algum dos hotéis negociados pela operadora supracitada.

Segundo informações da própria operadora, há a exigência de estada mínima de duas noites para qualquer período de reserva durante a Copa do Mundo de 2014, exceto para os jogos da abertura e semifinal, em que se exige mínimo de três noites, e para a final, com estada mínima de quatro noites.

“Como já foi possível observar na Copa das Confederações, o preço elevado das diárias reverbera por todo o setor de serviços, contribuindo para formar uma inflação da Copa”, diz Flávio Dino. “Se o coco custa dez na praia em frente ao hotel, passa a valer R$ 20, o preço do camarão vai atrás”, numa reação em cadeia por todo o setor de serviços, segundo Flávio Dino.