Obras no Terminal do Cujupe geram emprego a moradores e conforto a comerciantes

CujupePrevistas para serem entregues à população no primeiro semestre de 2018, as obras do Terminal do Cujupe já avançam para a segunda etapa e vêm movimentando tanto a economia local assim como a vida dos moradores e comerciantes da região. A nova fase inclui a construção de uma nova estrutura para embarque multimodal de passageiros. Ou seja, engloba tanto o transporte aquaviário quanto o rodoviário. São transportados anualmente 1,7 milhão de pessoas e mais de 300 mil veículos.

Com a expansão, dezenas de comerciantes informais que trabalham na área serão contemplados com boxes padronizados. Além disso, a obra gera oportunidade de emprego e renda para as mais de mil famílias residentes na área. “Essa é a primeira vez que eu trabalho numa obra e estou achando ótimo. Essa oportunidade é rara, principalmente para gente que mora aqui. Essa experiência vai ser muito válida para o meu currículo”, diz Mauro Alves Coelho, de 24 anos, morador do Cujupe.

Os mais experientes também comemoram a absorção da mão de obra local no empreendimento. Edimilson Pereira, de 33 anos, oficial de carpinteiro, afirma que a rotina de trabalho tem gerado novas expectativas em sua carreira profissional. “Estou muito feliz em ter sido chamado para trabalhar nesta obra, até mesmo por saber que esse é um momento de crise no país. Estou aqui ajudando a construir esse novo terminal, que tem sido tão esperado por todos”, afirmou.

Além da mão de obra local, o empreendimento tem gerado expectativas em quem precisa usar o ferry, como é o caso do advogado Willame Almeida, morador de São Luís. Toda semana, para chegar até o trabalho, no município de Cururupu, ele utiliza o transporte aquaviário. O advogado ressalta as melhorias que já identificou no terminal devido à obra. “A passarela na área norte já é uma grande vantagem, pois a gente não se molha para percorrer o caminho que fica entre a base do terminal e o ferry”, observou. “Outro ponto que deve melhorar é o do restaurante, pois com a padronização tudo deixará de ser jogado”, acrescentou.

Comércio

O ordenamento dos ambulantes dará ao consumidor um espaço revitalizado e seguro no que se refere ao consumo de alimentos. Já os empreendedores passarão a enxergar a atividade como um negócio que gera renda e pode melhorar continuamente a qualidade de vida da população que reside no entorno do terminal. Haverá reflexos positivos também no estímulo à produção local.

José Martins Pereira, de 59 anos, morador do Porto de Baixo, localidade próxima à cidade de Bequimão, é um dos beneficiados pela obra realizada pelo Governo do Maranhão. Responsável pela família com seis pessoas, ele é o vice-presidente da Associação dos Vendedores do Porto e diz que houve sensibilidade do governador Flávio Dino com a comunidade. “Esse governo foi o que deu mais visibilidade para nós, que trabalhamos no porto. Eles estão pensando na gente, desenvolvendo obras e querendo colocar a gente num local adequado para trabalhar”, disse.

Oportunidades

Numa barraca centralizada, dentro da área do porto, dona Regina Pedra Azevedo, de 55 anos, que trabalha há mais de 18 anos no terminal com as vendas de camarões, caranguejos, azeite de coco babaçu, água mineral, cerveja, refrigerantes e biscoitos, conta da felicidade em saber que terá um espaço padronizado. “Estou muito feliz em ter a barraca da gente toda bonitinha e com segurança”, respondeu. Ela comentou que em um dia de movimento intenso de passageiros chega a vender cerca de R$ 700.Secap-Obras Terminal Cujupe (7)

Com a venda de biscoito de tapioca, castanhas, azeite de babaçu e bebidas, Josiane Alfândega, de 33 anos, conta que já estava ansiosa pela reforma e pela expansão do terminal, pois o período chuvoso sempre deixa os comerciantes em uma situação delicada. “A nova estrutura vai trazer muita melhoria para gente, pois teremos um espaço digno e que até mesmo o cliente vai gostar de vir comprar. Quando chove, ninguém sai debaixo da estrutura do terminal para vir até a banca. O terminal vai ficar muito valorizado”, afirmou.

Readequação dos espaços

O investimento para readequação e construção dos terminais é de R$ 12,6 milhões, empenhados pelo Governo do Maranhão por meio da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap). “Essa obra representa um novo momento para a população da Baixada Maranhense, gerando mais negócios, mais investimentos e mais desenvolvimento para essa região tão importante”, afirmou o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária, Ted Lago.

A nova estrutura contará com um posto da Polícia Militar, lojas de conveniências, alojamento para funcionários, um sistema de reaproveitamento de águas de chuva, pátio de espera, com a reorganização do comércio ambulante, auditório e estacionamentos privativos. Ainda na primeira etapa, em 2016, foram instalados 365 metros de passarelas cobertas, sendo uma no sentido Sul e outra no sentido Norte. Todas as áreas serão sinalizadas e adaptadas para receber pessoas com deficiências.

O novo terminal está sendo estruturado dentro de uma logística que atenderá as necessidades da população, possibilitando a garantia de um acesso seguro e confortável aos milhares de usuários. O novo terminal de passageiros contará ainda com salas para a administração, posto do Juizado de Menores, boxes de comércio, lanchonete, salão de embarque com TVs e telas de informação sobre embarque e desembarque.

Haverá também um sistema de iluminação e de combate a incêndio (hidrante, extintor e sinalização de emergência). O projeto engloba ainda o plantio de árvores de grande porte – espécies adaptadas ao clima e ao solo da região com um sistema de irrigação para manutenção da vegetação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *