Quase 6 mil jovens e adultos recebem formação profissional nas Unidades Vocacionais do Iema

Iema-Criadas pelo governador Flávio Dino para garantir a articulação entre as necessidades dos setores produtivos locais e a formação técnico-profissionalizante de jovens e adultos, as Unidades Vocacionais do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) já atendem 5.851 pessoas que buscam inserção no mercado de trabalho, em 23 municípios maranhenses.

As Unidades Vocacionais do Iema focam na oferta de cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC), além de oferecer oficinas para quem deseja entrar no mercado de trabalho e aprimorar os conhecimentos profissionais. Trata-se de ofertar mão de obra capacitada para os setores produtivos, garantindo alta taxa de empregabilidade, uma vez que as necessidades são atendidas de acordo com as vocações regionais e o desenvolvimento das cadeias produtivas locais.

“Ampliamos a oferta de cursos no Iema pensando nos jovens e nas pessoas que já estão no mercado de trabalho e buscam um aperfeiçoamento, alguma qualificação ou então algum curso que possibilite a geração de renda autônoma”, diz o secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Jhonatan Almada.

Já foram investidos R$ 1.205.430 para abertura de 196 turmas, sempre levando em consideração as potencialidades das cidades e regiões.

É o caso da Unidade Vocacional do Iema no município de Ribeirãozinho. A cidade ganhou uma unidade do Iema voltada exclusivamente para a cadeia produtiva da carne e do couro. Pólo produtor do artefato, Ribeirãozinho é parte de um Programa de Investimentos do Governo do Estado que está aplicando R$ 15 milhões para construção de cinco matadouros mistos no estado.

Com a ampliação dos investimentos, o setor terá aumento na demanda por mão de obra. A presença do Iema na cidade suprirá essa demanda, garantindo emprego para os moradores da região.

A Unidade Vocacional do Iema de Ribeirãozinho oferece turmas com 30 vagas para formação de Confeccionadores em Artefatos de Couro em Produção Industrial, além de turmas de inglês.

Já em São Luís, as três unidades vocacionais priorizam tecnologias sociais, educação e cultura imaterial. Na Unidade do Estaleiro Escola, há cursos para Marceneiro especialista em Produção Industrial. Já na unidade da Praia Grande, o foco é Língua Brasileira de Sinais (Libras) e Resgate do Patrimônio Imaterial.

Além de valorização das cadeias produtivas locais, a instalação das Unidades Plenas leva em consideração a opinião da sociedade civil por meio de audiências públicas, fortalecendo o processo democrático da educação de qualidade.

Além de Ribeirãozinho e São Luís, são contempladas com Unidades Vocacionais os municípios de Açailândia, Amarante do Maranhão, Balsas, Barreirinhas, Bequimão, Caxias, Codó, Carolina, Carutapera, Esperantinópolis, Imperatriz, Pinheiro, Presidente Vargas, Matões, Pedreiras, Lima Campos, Santa Luzia do Paruá, Turiçu, Timon e Vargem Grande.

Unidades Plenas

Fruto do maior programa de investimentos em educação integral e profissionalizante do estado, o Governo investe R$ 2,9 milhões ao ano para manter uma Unidade Plena. Voltadas para formar jovens no ensino médio, com formação técnica. Somadas as sete unidades plenas em funcionamento significaram investimentos de R$ 20,3 milhões em 2016.

Os Iemas contam com projeto pedagógico voltado para que o aluno seja protagonista do processo educativo. Para isso, as unidades contam com laboratórios, bibliotecas, rede de internet e quadras poliesportivas, garantindo acesso à educação em tempo integral com infraestrutura adequada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *