Câmara Municipal de São Luís presta homenagem aos 76 anos da rádio Nova 1290 Timbira

Timbira-RobsonPazEm celebração aos 76 anos de fundação da rádio Nova 1290 Timbira, completados no mês de agosto, a Câmara Municipal de São Luís prestou homenagem, nesta segunda-feira (18), à emissora do Governo do Maranhão. A homenagem foi proposta pelo vereador Raimundo Penha (PDT) e aprovada por unanimidade pelos demais vereadores da casa.

Além da emissora, foram homenageados o diretor geral da rádio, Robson Paz; o coordenador de jornalismo, Ribamar Praseres; assim como os produtores, locutores e repórteres que integram a equipe de jornalismo da rádio mais antiga do Maranhão, que teve como primeiro nome Rádio Difusora.

Autor do requerimento que propôs a homenagem à Rádio Timbira, o vereador Raimundo Penha abriu a sessão destacando a importância da troca de informação entre o agente público e a população por meio do veículo radiofônico. “Estou muito feliz por ter tido a oportunidade de ir à Rádio Timbira e conhecer as instalações”, disse.

“As redes sociais e a Rádio Timbira têm se empenhado para que as pessoas tenham voz e vez. Essa é a forma que o cidadão tem de falar do hospital, da escola do filho, do bairro, levando sugestões aos gestores. Não há nada mais justo do que esta homenagem a quem garante ao cidadão o direito de expressão”, acrescentou Raimundo Penha.

Novo momento

Ao receber a placa de homenagem, o diretor geral da Rádio Timbira, Robson Paz, relatou o novo momento da emissora, atribuindo o desenvolvimento na comunicação aos investimentos realizados pelo governador Flávio Dino.

“É um momento de muita alegria para todos nós que fazemos parte da [Nova 1290] Timbira. A rádio já teve momentos mágicos, esplendorosos, e que hoje vêm sendo resgatado pela nossa gestão. É o momento da radiofonia maranhense, com a contratação de grandes profissionais e com investimentos importantes realizados durante o Governo Flávio Dino”, disse Robson Paz.

Ele frisou o caráter democrático da emissora que preza pela participação dos ouvintes. “Hoje existe um espaço de absoluta democracia, onde os ouvintes participam de forma livre, garantindo assim um direito importante e fundamental do ser humano, que é o direito de liberdade de expressão, dando o acesso às informações”, completou.

O diretor geral adiantou os próximos passos da Nova 1290 Timbira. “O próximo passo será o aproveitamento da convergência das mídias. Outro ponto é a implantação da TV Web, como também a soma das diversas plataformas das redes sociais, onde temos a presença muito forte e muita intensa da população”, informou.

Robson Paz também contou que a rádio vai entrar na frequência FM. “A ideia é cada vez mais levar informação, fazendo com que o Maranhão fale com o Maranhão”, disse.

Democratização

O presidente do Sindicato dos Jornalistas do Maranhão, Douglas Cunha, destacou a importância do jornalismo levado ao ar pela emissora. “Hoje a Rádio [Nova 1290] Timbira resgata a força da comunicação, levando a cada dia mais informação para o povo nos 217 municípios. Ela foi ameaçada, mas ressurgiu. Hoje a Rádio Timbira vive uma nova história e a gente fica muito feliz por essa recuperação e sua valorização”.

Para o presidente do Sindicato dos Radialistas do Maranhão, José dos Santos Freitas, conhecido como J. Kerly, os passos dados pela Timbira nos últimos três anos representam um grande avanço. “Essa luta de democratização dos meios de comunicação no Brasil é antiga, da qual o Maranhão faz parte, e isso é importante”, frisou.

Sobre a emissora

A rádio Nova 1290 Timbira opera no dial AM, na frequência 1290 kHz. A emissora foi fundada em 1941, sendo a primeira emissora de rádio do Maranhão.


Maranhão no rumo certo

FlavioDinoPor Flávio Dino

Por décadas, nós maranhenses vivemos uma triste rotina: a de conviver com a contínua citação negativa de nosso estado no noticiário nacional, sempre frequentando as últimas posições de qualquer ranking. Seja qual fosse o recorte, o Maranhão estava ali alternando o último ou penúltimo lugar. Educação, índice de policiais por habitante, transparência das contas públicas, sempre estava lá nosso estado, na parte inferior das tabelas. Graças a Deus, esse triste passado vai ficando para trás. Em pouco tempo de gestão, o Maranhão passou a ser um dos líderes em diferentes rankings nacionais.

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), por exemplo, nos classificou com boa situação fiscal. E a Secretaria de Tesouro Nacional destacou o Maranhão na lista dos estados com maior crescimento de investimentos públicos. Um estudo divulgado esta semana pelo jornal Valor Econômico, um dos maiores do país, nos coloca com a 2ª maior previsão de crescimento do PIB em 2017. Números auspiciosos para nossa economia em tempos tão difíceis no cenário nacional, em que vivemos a pior crise dos últimos 100 anos.

Todos esses indicadores mostram que nosso estado está no caminho certo. Muitos outros índices ainda mostrarão o resultado positivo de nossas políticas. Um dos primeiros que foi atualizado, o IDEB, já mostra o avanço que tivemos no início do Governo. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) medido neste ano vai confirmar que revertemos a tendência de queda que havia nascido no caos do governo passado. Na Segurança Pública também temos números melhores agora que no passado, o mesmo se verificando na situação penitenciária, que infelizmente constitui uma gigantesca herança maldita.

A verdade é que estou colocando em prática as medidas que anunciei em campanha, quando percorri nosso estado de ponta a ponta mobilizando as pessoas em favor da mudança. Não eram palavras da boca para fora, como pode ser comprovado por outro ranking, do site nacional de notícias G1, que nos coloca como o segundo governo que mais cumpriu suas promessas de campanha no Brasil.

Enquanto nós trabalhamos para melhorar a situação do estado, mesmo em meio à avassaladora crise nacional, um número divulgado esta semana mostra o que acontecia anteriormente. Um levantamento de uma consultoria privada mostra que, nos dez anos seguintes a 2005, o Maranhão andou mal no ranking nacional de qualidade de vida.

Esse número comprova o que eu já dizia à época: enquanto o Brasil crescia e melhorava de vida na melhor década da economia dos últimos tempos, o Maranhão estava estagnado, escravo das múltiplas amarras que o sistema coronelista gerava. Levaremos alguns anos mais, porém é certo que agora estamos cortando essas amarras, desta feita de modo definitivo, para que um outro Maranhão possa florescer.

Fico pensando o que seria de nosso estado se passasse esta crise nacional sob o comando de grupos que mais se preocupavam em usar o dinheiro público para comprar lagostas do que em pagar professores, mais cuidavam de privilégios de poucos do que dos direitos de todos.

Vivemos hoje no Brasil uma tempestade perfeita, fruto da junção de uma crise política com crise econômica. Mesmo assim, estamos provando que o Maranhão não é destinado ao fracasso das últimas posições. Podemos ser um estado de referência positiva. Basta acreditar no nosso povo, como eu acredito.

Advogado, 49 anos, Governador do Maranhão. Foi presidente da Embratur, deputado federal e juiz federal.


Flávio Dino lidera pesquisa com mais de 20 pontos à frente de Roseana Sarney, diz pesquisa

Do Página 2 

Data IlhaO governador Flávio Dino lidera a corrida para as eleições 2018 com mais de 20 pontos de vantagem sobre a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e venceria em primeiro turno em todos os cenários. É o que mostra pesquisa realizada pelo Instituto Data Ilha, entre os dias 28 e 30 de agosto.

Se as eleições para o governo do Estado fossem hoje, Flávio Dino teria 52,47% dos votos, enquanto Roseana teria 30,51%. Brancos e nulos somam 10,74% e 6,27% não sabem ou não responderam.

Em votos válidos a diferença é ainda maior. Flávio Dino aparece com 63,23% dos votos válidos contra 36,77 de Roseana Sarney.

Diferença fixa

Na pesquisa espontânea, Flávio Dino lidera com cerca de 40% das intenções de votos e Roseana Sarney tem menos de 20%. Brancos e nulos 7,18%. Não sabem ou não responderam 28,47%.FlavioDino

O Instituto Data Ilha ouviu 2.104 pessoas em 37 cidades de todas as regiões do Estado. A margem de erro da pesquisa é de 3,3 pontos percentuais para mais ou para menos com intervalos de confiança de 95%


Procuradoria estuda restituição por desvios do caso Geddel/ Roseana

rose-geddelDo Jornal Pequeno

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) vai pedir oficialmente cópia da auditoria do governo federal que apontou suspeita de desvio de R$ 18 milhões em verbas durante o governo Roseana Sarney (PMDB) repassadas pelo então ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima. Esses recursos deveriam ter sido usados para reconstrução de estradas e pontes destruídas por enchentes em 2009. Mas uma auditoria do próprio governo federal aponta que pelo menos R$ 18 milhões repassados não viraram obras.

Com o documento do governo federal em mãos, os procuradores vão decidir se entram com uma ação civil por improbidade administrativa contra a ex-governadora. A auditoria interna foi feita pelo Ministério da Integração Nacional. A partir da ação civil, a PGE pode pedir a devolução dos valores aos cofres públicos, além de pedir a responsabilização de Roseana.

Como a investigação do Ministério da Integração mostra farta documentação, há grandes possibilidades de Roseana de fato ser alvo de uma ação por improbidade. O relatório cita “descaso”, “desrespeito” e “má-fé” dos executores das obras. De acordo com a auditoria, os recursos da União não chegaram ao destino para o qual foram enviados.

Histórico

Em 14 de maio de 2009, a então governadora Roseana Sarney pediu ao Ministério da Integração R$ 35 milhões para reconstruir estradas e recuperar obras atingidas pelas enchentes em 69 cidades em situação de emergência no Maranhão. Em novembro do mesmo ano, o Ministério da Integração liberou os recursos.

Ainda segundo a auditoria do ministério, as obras não foram feitas, e o governo Roseana pediu prorrogação do contrato, o que foi atendido pela pasta.

No entanto, o relatório mostra que, dos R$ 35 milhões, R$ 18 milhões não foram efetivamente aplicados nas obras. Verificou-se que havia uma série de obras inacabadas e remendos em estruturas já deterioradas.

Segundo o parecer técnico, apenas parte do plano que seria executado com o dinheiro foi de fato concretizado. A auditoria é acompanhada de um relatório fotográfico mostrando problemas como uso de rebocos para fazer estruturas antigas parecerem novas. O relatório cita uma ponte na região de Caxias que se encaixa nessas condições. “A estrutura antiga [foi] construída há mais de 30 anos, sendo rebocada para aparentar nova”, diz um outro trecho da auditoria.


Soluções para a Baixada

Robson PazROBSON PAZ

A Baixada Maranhense é uma das regiões mais belas e ricas naturalmente do nosso Estado. Contudo, a população constituída por quase meio milhão de habitantes foi por muito tempo abandonada. A dívida do Estado para com esta região remanesce do período colonial, quando os mais vulneráveis, notadamente índios e negros foram dizimados, açoitados e relegados à margem pelo poder dominante. O coronelismo e a exclusão se perpetuaram na maioria dos municípios até o início deste século.

Nos últimos dois anos e oito meses, a Baixada Maranhense experimenta virtuoso ciclo de investimentos em políticas públicas realizado pelo governador Flávio Dino. Resgate social e histórico. As ações e projetos contemplam áreas essenciais, como saúde, infraestrutura, educação e produção. A conclusão e funcionamento do hospital regional Dr. Jackson Lago, na cidade de Pinheiro assegura atendimento de média e alta complexidade, que beneficia a população de dezenas de municípios da região. Outra unidade hospitalar está em construção na cidade de Viana. Acesso adequado e célere à saúde. Municípios com baixo IDH, como Cajari e Pedro do Rosário recebem também profissionais da Força Estadual de Saúde, que com equipe multidisciplinar realizam atendimento domiciliar oferecendo atenção básica à saúde daqueles que mais precisam. Programas de largo alcance social, como o Bolsa Escola, para aquisição de material escolar; Escola Digna, que substitui escolas de taipa e palha por espaços onde as crianças podem aprender com dignidade, bem como a reforma, reconstrução de escolas.

A região receberá unidades plenas do IEMA (Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia), nos municípios de Santa Helena e São Vicente de Ferrer. São Bento já conta com escola em tempo integral. O ensino superior também recebe investimentos no polo da Uema.

As principais rodovias da região estão sendo reconstruídas. A MA-014, no trecho que liga Vitória do Mearim a Três Marias e a MA-106, do porto do Cujupe até Governador Nunes Freire. A rodovia, que liga Pedro do Rosário à BR-316 (Cocalinho), está sendo concluída, bem como a Estrada do Peixe, de Matinha a Itans. A reforma e ampliação dos terminais do Cujupe e Ponta da Espera. O Mais Asfalto apoia os municípios na tarefa de melhorar as vias urbanas das cidades, garantindo escoamento da produção e mobilidade, além de gerar emprego e renda.

Ainda este ano, o governo Flávio Dino vai começar intervenções para melhorar a qualidade de vida dos baixadeiros. Sobretudo, aqueles que tiram seu sustento dos campos inundáveis da região. É o Programa Diques da Produção. Construção de canais e barragens, que visam perenizar o máximo possível as águas nos campos para assegurar a criação de peixes, animais e cultivo de frutas e hortaliças em mais de 30 municípios. O programa Água para Todos retira milhares de pessoas do sofrimento com a falta d’água.

Todo este conjunto de obras e serviços cuida de reparar em grande medida décadas, séculos, de exclusão de um povo, cuja história é marcada pela luta em defesa dos seus direitos. Antes, suprimidos. Agora, garantidos para todos.

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.


Auditoria aponta “descaso” e “má-fé” em obras de Geddel/Roseana para enchentes

WhatsApp Image 2017-09-10 at 18.40.16Um relatório do Ministério da Integração Nacional de Brasília levanta diversos problemas na execução de obras previstas em um acordo de cooperação milionário entre a então governadora Roseana Sarney e o então ministro Geddel Vieira Lima em 2009. O próprio ministério aponta desvio de R$ 18 milhões em obras não realizadas. Os recursos repassados pelo governo federal deveriam servir para reconstruir estradas e pontes afetadas por enchentes que castigaram o estado naquele ano.

O que se viu, no entanto, pelo relatório da auditoria foi bem diferente. O documento obtido com exclusividade mostra que o Ministério da Integração Nacional viu “descaso”, “desrespeito” e “má-fé” dos executores da obra. A auditoria conclui que ao menos R$ 18 milhões transferidos não se transformaram em obras.

Uma das práticas citadas pelo relatório é a maquiagem de obras antigas, com poucos reparos, para que pareçam novas. É o caso, segundo a auditoria de uma obra na região de Caxias, em que uma ponte deveria ter sido totalmente recuperada. Segundo a auditoria, a “estrutura antiga foi rebocada com aparência de construção recente”.

Em outro trecho do relatório, a auditoria afirma que a “estrutura antiga (foi) construída há mais de 30 anos, sendo rebocada para aparentar nova”. Ainda segundo o relatório, essas alterações caracterizam “má-fé” dos construtores.

Auditoria da Integração apura desvios em 2009

Uma investigação do governo federal apura o destino de parte dos recursos repassados ao Governo do Maranhão em 2009 com o objetivo de recuperar rodovias em quase 70 municípios do estado. Os recursos deveriam ter recuperado rodovias após uma enchente no estado. Uma auditoria interna do Ministério da Integração Nacional orienta a glosa de R$ 18 milhões – com valores atualizados – em contrato realizado por aquele órgão e o governo do Estado.

Geddel Vieira Lima, hoje réu da Lava Jato, era o ministro à época. E Roseana Sarney, a governadora. Parte dos processos foi assinado por seu vice, o hoje senador João Alberto.

O recurso encaminhado ao Governo do Estado visava realizar obras em estradas no interior para recuperar vias atingidas pela enchente de 2009. Em alguns casos, no entanto, os recursos não chegaram a seu destino.

Em 14 de maio de 2009, a então governadora Roseana Sarney encaminhou ao Ministro de Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, o Plano de Trabalho no valor de R$ 35 milhões, com o objetivo da reconstrução de estradas estaduais, recuperação de obras de artes especiais e pavimentação de vias urbanas em 69 municípios, que se encontravam em situação de emergência, em decorrência das enchentes e inundações ocorridas naquele ano.

As ligações políticas do então ministro Geddel Vieira Lima e Roseana Sarney, ambos do PMDB, facilitou o trâmite dos recursos à época. Nesta semana, a Polícia Federal prendeu, novamente, o ex-ministro após encontrar em um apartamento ligado a ele a quantia de R$ 51 milhões, em dinheiro vivo, que estavam guardadas em malas na cidade de Salvador.

Nesta semana também, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ofereceu denúncia ao STF (Supremo Tribunal Federal), contra cinco senadores e dois ex-senadores do PMDB, acusados de integrar organização criminosa e receberem R$ 864 milhões em propina. Entre eles, o ex-senador José Sarney, um dos integrantes mais influentes da cúpula do partido.


Bem-vindo, Lula! Parabéns, São Luís!

Robson PazROBSON PAZ

Em meio às comemorações pelos 405 anos, São Luís recebe o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Visita de elevada simbologia da luta e resistência contra o modelo de dominação, que marca a história do Brasil e do Maranhão.

São Luís fundada por franceses, invadida por holandeses e colonizada por portugueses teve sua construção, como de resto quase todo o país, sob a égide da exclusão social. Sobretudo, da população indígena e negra. A despeito da invisibilidade imposta pelos privilegiados, estes são protagonistas de nosso rico patrimônio sociocultural.

A presença de Lula em São Luís, neste momento, é simbólica. De retirante nordestino a presidente da República, Lula é um misto de sobrevivente e exemplo de superação, êxito sobre a política elitista e excludente do país, cuja principal característica é a negação de direitos. Como nenhum outro na história, este operário representou e realizou em grande medida o sonho de inclusão da maioria da população brasileira no orçamento da União.

Após experimentar crescimento com inclusão social nos governos Lula, o golpe, que retirou a ex-presidente Dilma Rousseff do poder, fez o Brasil retroceder sob uma agenda draconiana, patrocinada pelo grande capital e por interesses internacionais na exploração das riquezas e entrega do patrimônio nacional. A semelhança com o período colonial não é mera coincidência.

Não foi sem luta, suor e sangue dos povos indígenas e negros, que a bela São Luís foi erigida a partir do Forte de São Luís, em 1612. A capital de todos os maranhenses tem sua história marcada pela luta por direitos e liberdade. Na história recente, as greves de 1951 e 1979. A primeira, um movimento social contra o sistema de fraudulento e opressor; enquanto a outra se fez contra aumento abusivo e pelo direito à meia passagem levaram ludovicenses às ruas contra o poder dominante. Rebeldia política de quem jamais elegeu um prefeito apoiado pela dinastia Sarney, que dominou o estado por cinco décadas.

É esta São Luís que abraça o ex-presidente Lula na sua caravana da cidadania e justiça. Estarão juntos dois expoentes da política brasileira. Lula um dos melhores presidentes do nosso país. Idealizador e executor de políticas inclusivas, como Bolsa Família, Luz Para Todos, Prouni, Minha Casa Minha Vida, PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), das UPAs, das universidades públicas, que deram oportunidade aos mais pobres; Flávio Dino, que realiza uma gestão transformadora e inclusiva com programas, como Escola Digna, ampliação da rede de atendimento à saúde construção de hospitais regionais e da Força Estadual de Saúde, do Bolsa Escola, do Mais Asfalto, que urbaniza cidades e constrói estradas e pavimenta sonhos; do Pacto pela Paz, que investe como nunca antes na segurança pública; do olhar para aqueles que mais precisam.

Que a força e a rebeldia de nossa brava gente lance luz e esperança no reencontro do Brasil com a justiça social, a soberania e direitos para todos os brasileiros. Bem-vindo, Lula! Parabéns, São Luís!

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.