VÍDEO | Escolinha CAJ do Jacioca encerra participação no Maranhense com vitória

A Escolinha de Futebol do Clube Atlético Juventude (CAJ) do povoado Jacioca-Bequimão encerrou a participação no Campeonato Maranhense de Futebol 7 com vitória sobre o Slacc de São Luís por 2 a 0, no shoot out, após empate em 2 a 2 no tempo normal.

Os gols do CAJ foram marcados por Gabriel e Richarlison, no tempo normal. No  shoot out, Gabriel e Jadiel converteram para o Atlético Juventude.

Com o resultado, o CAJ terminou a competição com 4 pontos ganhos, sem chances de avançar para a segunda fase. Na classificação geral, o time do interior de Bequimão é o 12º colocado entre as 25 equipes, que participam da categoria Sub 11.

Em quatro jogos, o CAJ empatou três contra Cruzeiro Aririzal (derrota no shoot out), Juventude Maranhense (derrota shoot out) e contra o Slacc (vitória no  shoot out). A única derrota no tempo normal foi contra o Flamengo por 3 a 0.


PCdoB lança campanha contra a “reforma” da Previdência Social

Com o slogan “Defenda sua aposentadoria, ou no final quem quebra é você”, a campanha visa fazer o público despertar para o que ele está perdendo e com isso, convocando os trabalhadores e trabalhadoras para fazer a defesa dos seus direitos. O “quebra” faz um contra-ponto com a campanha apresentada pelo governo federal em defesa da “reforma”.

Leia a apresentação:

O governo Bolsonaro quer dificultar ou acabar com a sua aposentadoria, aumentando a idade para homens e mulheres, além de diminuir e congelar o valor dos benefícios.

Dizem que seu direito a uma aposentadoria digna é a causa dos males do Brasil. Mentira! Querem meter a mão no seu bolso. Somando tudo, será mais de um trilhão de reais tirados dos trabalhadores e transferidos para banqueiros.

A juventude terá que aderir ao famigerado “regime de capitalização” resultante da privatização da Previdência. É a troca do sistema seguro de contribuição solidária pelo da ganância dos bancos, no qual a aposentadoria será uma miséria, sem garantia.

A reforma de Bolsonaro também ataca a seguridade social, como tratamento de saúde, proteção à maternidade, pagamento de pensões para pessoas com deficiências e idosas, e outros direitos assegurados pela Constituição.

A Previdência poderia ter muito mais recursos se o governo fosse enérgico na cobrança de quem deve montanhas de contribuições previdenciárias. Também poderia criar condições para a economia crescer, gerando emprego e renda, aumentando os contribuintes do fundo geral das aposentadorias e dos benefícios.

Agora que está claro para você que o governo não quer reformar a Previdência, mas acabar com ela, venha somar forças com o PCdoB para defender sua aposentadoria. Juntos, lutando nas ruas e nas redes sociais.

O PCdoB está com você nesta luta.

Saiba mais sobre a campanha aqui.


Edilázio não quer o povo da Baixada Maranhense em área de ricos

O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) mostrou todo o seu preconceito durante reunião ocorrida no Iate Clube, na Península, para tratar sobre o terminal portuário que ligará as cidades de São Luís e Alcântara. Ele deixou bem claro que o povo da Baixada Maranhense vai atrapalhar os moradores ricos da região.

“O que vai vim para cá é uma alternativa para a Baixada Maranhense, isso eu não tenho dúvida, e quem vai perder são vocês, que pagaram caro pelo metro quadrado. Tudo que vocês vão investir vai por água abaixo porque vai haver uma depreciação dos imóveis de vocês”, disparou o parlamentar.

Edilázio disse que a construção de um cais na Península vai atrair o público das classes C, D e E, o que vai ocasionar em baderna na área das elites de São Luís. “Quem vai vim para cá? Carrinhos, moto táxi, van”, disse o deputado, que afirmou que “eu como morador da Península não queria conviver com essa situação que vocês vão passar a ter aqui”.

O parlamentar ainda usou o exemplo da sua babá, que é da cidade de São Bento, e que seria beneficiada com um terminal em que a viagem de São Luís para a Baixada Maranhense, já que diminuiria de duas horas para 45 minutos de travessia.

Centro de Lançamento

Para defender sua tese preconceituosa de que o cais atrairia pobres para a Península, Edilázio deu o exemplo do Centro de Lançamento de Alcântara. Ele explicou que os cientistas que trabalharão na base irão de aeronave, enquanto pedreiros, que tem ir e vir todos os dias, passariam pela região.

As palavras de intolerância e discriminação de Edilázio atingem fortemente toda a população da Baixada Maranhense.