Lula: ‘Dino tem mostrado uma capacidade política e gerencial muito grande’

 
Maranhão 247 – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira (16) que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), tem de participar mais do debate político nacional. Na avaliação do petista, o maranhense será peça importante na frente de esquerda que precisa ser construída no Brasil.

“Ele tem se mostrado um homem com uma capacidade gerencial muito grande e uma capacidade política muito grande. Eu acho que ele deveria participar mais do debate nacional. Ele tem coisas a falar para o Brasil”, disse Lula durante entrevista à Rádio Difusora (MA). “Por todas as informações que a gente tem, ele tem sido um bom governador”, complementou.

Ao comentar sobre eleição direta, o ex-presidente disse que ao ideal é acontecer o mais rápido possível, mas, de acordo com ele, se isso não acontecer, a esquerda precisa construir uma frente democrática “para que a gente possa transformar outra vez este Brasil”. “Nessa frente que nós vamos construir, certamente o governador Flavio Dino estará dentro dela”, disse.

No começo deste mês, o governador do Maranhão propôs três bandeiras para unificar a esquerda no Brasil: Nação, Produção e Educação, tendo Lula como coordenador.


Dirigente de grupo cultural desabafa e critica perseguição da prefeitura de Bequimão ao Marizés

vereadores beq11 slide21O produtor cultural Júnior Gomes, organizador da Companhia de Artes e Cultura Popular Marizés, usou as redes sociais para criticar o prefeito de Bequimão, Zé Martins (PMDB), pela exclusão do grupo folclórico da programação oficial de aniversário do município e do São João, realizado pela prefeitura.

“Gestor você foi escolhido nas urnas porque todo o poder emana do povo! Lembre-se que hoje estás prefeito não foi porque você passou em um concurso publico! Pare de reprimir e humilhar as pessoas com essa conduta de perseguição miserável que é o marco dessa administração!”, desabafou Júnior.

O Marizés foi criado em 2014 pelos jovens Camila Rodrigues, Júnior Gomes e Léo Leandro, reúne mais de 50 brincantes, em sua maioria jovens, que compõem o corpo de baile, a orquestra e personagens típicos do alto do boi, como pai Francisco, Catirina, caboclos de pena, cazumbás e miolo do boi.sem-tc3adtulo

No ano passado, a Companhia Marizés representou o estado num festival internacional em Fortaleza. “Agora quem é penalizado é um projeto cultural que não é meu, é de Bequimão!”, disse o responsável pelo grupo cultural de Bequimão.

As apresentações do Marizés passeiam por quatro sotaques do bumba-meu-boi do Maranhão – orquestra, matraca, pandeirão, zabumba e Pindaré -, além de tambor de crioula e forró de caixa.

“Através da música e da dança, o grupo pretende trazer à tona o lado mais prosaico da cultura popular, a capacidade do homem festejar sua alegria e mostrá-la pelo ritmo e poesia”, afirma o presidente do Marizés, Júnior Gomes.

JrMarizesjrgomes


Democratização da mídia. É preciso lutar

untitledROBSON PAZ

Remanesce no Brasil modelo concentrador e oligopolista de comunicação. Salvo exceções, tudo aquilo que os brasileiros consomem como informação, no que concerne à comunicação de massa, é produzido e controlado por meios pertencentes a sete famílias.

O modelo concentrador e coronelista da mídia é histórico, mas teve um dos grandes impulsos na segunda metade da década de 80, quando o país foi presidido por José Sarney. Naquele período, foram distribuídas praticamente metade do total de concessões públicas de rádio e TV, realizadas em toda a história do país.

No Maranhão, este desequilíbrio é ainda mais agudo. Quatro famílias de políticos detêm o controle da maioria absoluta dos meios de comunicação no Estado.

O desafio posto é como democratizar os meios de comunicação. Muitos movimentos e discussões foram acumulados, desde o século passado. Um destes, o Movimento pela Legalização das Rádios Comunitárias, liderado pela Abraço (Associação Brasileira de Rádios Comunitárias). A realização da primeira Conferência Nacional de Comunicação foi outro marco importante. Contudo, mesmo com toda a popularidade do governo, à época, o resultado prático foi ínfimo. Uma das pautas levantadas, a regulação da mídia foi dizimada por um poderoso lobby da grande imprensa. A proposta que concorreria para democratizar a comunicação foi demonizada e praticamente arquivada sob o falso debate sobre censura à imprensa.

A despeito dos barões e coroneis da mídia, uma das maiores conquistas da atualidade para reduzir a avassaladora força dos oligopólios de comunicação tem sido a internet, que proporciona significativo avanço na democratização, vide redes sociais. Mas, ainda insuficiente diante da exclusão digital da maioria dos brasileiros, especialmente nos grotões das regiões Norte e Nordeste.

No último fim de semana, o tema foi pautado no 6º Congresso Estadual da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (Abraço-MA). Diálogo enriquecedor que contou com a participação de representantes do governo estadual, da Abraço e da mídia alternativa. Debate com visões plurais, mas que visam o fortalecimento da mídia comunitária, alternativa e democrática.

O ambiente para o fortalecimento das rádios comunitárias no país é hostil. Desde o golpe parlamentar que retirou Dilma da Presidência, os Planos Nacionais de Outorgas (PNO), cujos editais foram lançados pelo Ministério das Comunicações, estão praticamente paralisados.

Apesar de ser matéria predominantemente da esfera federal, desde 2015, o governador Flávio Dino apoia a radiodifusão comunitária no Estado com ações progressivas obedecendo aos marcos legais. Estas deverão ser intensificadas e ganhar mais velocidade.

O fortalecimento da comunicação comunitária passa por uma agenda relevante na Câmara dos Deputados, que inclui a legislação sobre investimentos públicos; ampliação de frequências por municípios; elevação da potência das emissoras; formação de redes; publicação de novos editais PNOs.

Justas reivindicações dos comunicadores comunitários, essenciais para a construção de uma comunicação mais plural e democrática no país. Tarefa tão urgente quanto complexa dada a oposição dos coroneis eletrônicos nacionais e regionais. É preciso lutar pela democratização da mídia.

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM


Prazo para inscrições ao ‘Cidadão do Mundo’ é prorrogado até sexta-feira (16)

unnamed (1)A Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) prorrogou até a próxima sexta-feira (16) o prazo de inscrição para o processo seletivo ao programa ‘Cidadão do Mundo’. Este ano estão sendo ofertadas 80 vagas para jovens que sonham participar de cursos de idioma estrangeiro. São 45 vagas para inglês, 10 vagas para francês e 25 para espanhol. Os selecionados farão curso de idioma em escola no exterior, com data de embarque prevista para o segundo semestre de 2017 com todas as despesas pagas pelo Governo do Estado.

“O intercâmbio permitirá a aprendizagem de um idioma estrangeiro e a vivência cultural no país de destino. Abre-se uma janela de oportunidade aos jovens, antes restrita aos filhos das classes mais ricas”, destacou o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada. “As pesquisas que fundamentaram a formulação do programa apontam que para cada cinco mil alunos da rede pública maranhense, apenas um tem habilidade linguística suficiente para concorrer com os da rede privada”, completou Almada.

01797_imga_9880_8857151330348324714

Podem se inscrever jovens maranhenses com idade entre 18 e 24 anos, egressos do ensino médio da rede pública de ensino ou de instituições de ensino vinculadas a entidades paraestatais ou a fundações sem fins lucrativos. As inscrições estão abertas no site da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) – www.secti.ma.gov.br. A ação tem a parceria da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico do Maranhão (Fapema).

Os candidatos selecionados farão jus a uma bolsa de estudo no valor de R$ 4.500, seguro de saúde durante todo o período em que estiverem residindo no país de destino, passagens e acomodação em casa de família residente na localidade definida para o intercambista, com sistema de pensão completo (café da manhã, almoço e jantar).

Requisitos para participação
Além de ser egresso de escola pública e ter idade mínima entre 18 e 24 anos são requisitos necessários para participar do processo seletivo ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); estar matriculado e frequentar há pelo menos um ano instituição de ensino superior no Maranhão; ter obtido, ao longo do ano imediatamente antecedente à inscrição no Programa (2016), aprovação com média acima da nota sete ou equivalente em todas as matérias cursadas; nunca ter realizado viagem e/ou intercâmbio internacional.

Para garantir mais oportunidades aos estudantes do interior do Estado e tornar o processo seletivo mais igualitário, o edital 2017 traz algumas mudanças em relação ao do ano passado. Este ano o processo seletivo terá apenas uma etapa, que é a de verificação dos requisitos constantes no edital, e um critério de seleção, que é a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de qualquer edição.

O curso de imersão e o teste final, etapas realizadas nas edições anteriores, foram eliminados por representarem entrave para a participação dos estudantes do interior que tinham que vir para São Luís participar das duas fases de seleção. O deslocamento gerava custo para as famílias que, na maioria das vezes, não tinham como bancar as despesas.


Governador Flávio Dino realiza vistoria técnica em obras da ponte Central/Bequimão

01740_inspecao_a_ponte_central_bequimao_2_1030727819682977429Para acompanhar o andamento das obras de construção da ponte sobre o Rio Pericumã, que ligará Bequimão à Central do Maranhão, o governador Flávio Dino realizou, na manhã desta sexta-feira (9), vistoria técnica ao local. Uma obra de enorme complexidade – considerando a dificuldade do terreno e a influência da água -, já está na finalização do estudo dos solos, para serem  colocadas as estacas de sustentação da ponte.

O governador sobrevoou a região, inspecionou a obra, cujo o canteiro está instalado próximo ao rio do lado de Bequimão, conversou com o engenheiro responsável e a equipe da Secretaria de Estado de Infraestrutura, que executa o projeto. A intenção foi verificar de perto cada detalhe e conferir o cumprimento do cronograma, para assegurar que a ponte, que é um sonho antigo da região da Baixada e do Litoral maranhense, possa finalmente ser levantada.

“Uma obra de enorme importância para toda a região, são pelo menos 10 municípios diretamente beneficiados. As obras estão na fase de sondagem, de preparação do início da colocação das estacas e em mais três meses já teremos as estacas sendo colocadas aqui. O cronograma está mantido, a empresa está aqui presente, a ponte terá o total e 589 metros e envolverá estacas quem podem ter a profundidade de 20 até 40 metros, dependendo do ponto do rio. De modo que é uma obra de enorme importância econômica e social, e também de complexidade, mas nós estamos aqui muito otimistas e animados de que depois de décadas e décadas de promessas e discurso que foram feitos, efetivamente, desta vez, a obra começou e essa é a minha palavra para garantir a todos os moradores dessa região que precisam dessa obra para melhorar suas vidas”, pontuou Flávio Dino durante a visita, que pôde observar que, mesmo diante rígido período de chuva enfrentado, muito já se avançou.

01740_inspecao_a_ponte_central_bequimao_3_5214246770011325167

Com 589 metros de extensão, a ponte tem um projeto de engenharia de grande complexidade técnica, chegado a ter 26 metros de espessura de solo mole, e influência do rio e da maré. O engenheiro que coordena a obra, Madson Siqueira, relata que há pontos que a profundidade da estaca chegará a 40 metros, isto representaria, numa comparação, um prédio de 20 andares, tamanha a complexidade do investimento.

“Estamos na parte de estudo de solo, para ver qual vai ser a profundidade e a fundação mais apropriada, ou seja quais os tipos de estacas que nós vamos cravar. Ainda esta semana a gente termina este estudo na parte de Bequimão, para partir para o lado de Central. Posteriormente vamos para o leito do rio, que é a parte do meio. Além disso, já está sendo fabricado o aço, em São Paulo, para que a gente comece a confeccionar as camisas metálicas (tubos de aço com diâmetro de 1,2m e 1,6m que servem de sustentação da ponte) que vão ser cravadas”, explicou o engenheiro.

O investimento chega a R$ 68 mi. A Sinfra deve licitar em breve a pavimentação dos trechos de acesso à ponte. Serão seis quilômetros de asfalto tanto no município de Bequimão quanto no município de Central do Maranhão.

Os impactos da ponte, para todos os municípios das duas regiões, são os mais diversos, indo desde o escoamento mais rápido da pesca e produção agrícola, e diminuição de distância percorrida entre Bequimão e Central em aproximadamente 150 km, até o fortalecimento do turismo, ao tornar mais conhecidas as belezas do litoral ocidental do Maranhão, pela facilidade no acesso. Mas um benefício já sentido é a geração de emprego.

Morador de Bequimão, Basílio Neto, 36 anos, estava há algum tempo desempregado e agora está trabalhando como pedreiro nas obras de construção da ponte. “É muito bom para a população de Bequimão porque já está melhorando o emprego e vai melhorar a situação do povo da cidade, já que vai aproximar até para comprar comida e vai ter mais desenvolvimento”, contou Neto, que, pelas próprias mãos, está fazendo um sonho antigo de transformar em realidade.

Localizada na MA-211, a ponte dará melhor acesso para as cidades de Apicum-Açu, Bacuri, Serrano do Maranhão, Cururupu, Porto Rico, Cedral, Guimarães e Mirinzal, reduzindo o percurso e solucionando os entraves de mobilidade urbana para os moradores da região e ainda melhorando o acesso até o Pará.


A educação transformadora das Rivânias

untitledROBSON PAZ

Vem de uma menina de oito anos a imagem simbólica e um dos mais belos exemplos recentes do país, envolto em caos político, econômico e institucional. Negra, simples e de sabedoria singular, a pequena pernambucana Rivânia deu uma aula de fé e esperança ao deixar a casa inundada pela enchente e ajoelhar-se na jangada abraçada ao que julgou ter maior importância em sua vida: os livros.

A menina, que sonha em ser professora ou enveredar pela medicina deu uma aula ao Brasil. O conhecimento é o caminho capaz de fazer com que o país possa ter uma sociedade mais justa, fraterna, igualitária e inclusiva.

Criou-se nos últimos anos a ideia de que o Brasil será “salvo” por “justiceiros”, que combatem a corrupção. Esta é uma chaga. Disto ninguém duvida. E por isso mesmo, precisa ser permanentemente combatida. Mas, não só.

Na humildade e mansidão de suas palavras, aquela criança nos mostra que mesmo na dificuldade a educação precisa ser prioridade. É esta que em grande medida proporciona a verdadeira libertação e o desenvolvimento de uma sociedade.

A educação é uma obra de longo curso. Talvez nisto esteja explicação para tão pouco apreço por parte de ocupantes de cargos executivos, salvo raras e honrosas exceções. Poucos foram os políticos que tomaram a educação como bandeira. No âmbito nacional, temos experiências exitosas do saudoso Leonel Brizola e Darcy Ribeiro. Brizola teve entre suas marcas a inauguração de milhares de escolas e apoio aos alunos dando-lhes condições e incentivos. Foi o responsável pela implantação dos CIEPs. Iniciativas exitosas, que mereceram recente referência de Caco Barcelos, um dos grandes jornalistas do país. E certamente lembrada por milhares de alunos alcançados por este projeto de educação inclusivo.

No Maranhão, o também saudoso ex-governador Jackson Lago teve sua trajetória política construída tendo como um dos marcos os investimentos em educação. À frente da prefeitura de São Luís, a capital do Maranhão teve o maior investimento na rede de ensino municipal ampliando exponencialmente o número de vagas e a construção de escolas. Feito repetido em nível estadual no curto período em que esteve no comando do governo.

Hoje, vemos com alegria o governador Flávio Dino abraçando a causa da educação como prioridade do governo. Realizando sonhos com a construção de escolas dignas. São mais de 570 escolas reconstruídas, reformadas, construídas. Implantação de 18 escolas de educação integral, sete destas profissionalizantes; iniciativa inédita no Estado. Professores valorizados e capacitados. Participação das famílias no processo educacional com a democratização da gestão escolar, com a eleição direta para gestores. Alunos da rede pública de ensino com acesso a programas de intercâmbio em outros países. Bolsa Escola para estimular permanência das crianças nas escolas. Oportunidade que as milhares de Rivânias do Maranhão agradecem por poder sonhar com um futuro melhor amparadas num presente, em que prevalecem a dignidade e o conhecimento.

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM


Com maquinário especial, Ponte Central-Bequimão terá primeira etapa concluída

01577_terraplanagem_para_o_acesso_de_construcao_da_ponte_central_bequimao_fotos_mozart_magalhaes_3_7999485762917346282A Ponte Rodoviária sobre o Rio Pericumã, uma das obras mais aguardadas na Baixada, representa um dos grandes desafios para a engenharia maranhense. Uma ponte construída sobre um rio que tem interação de maré e cujos acessos até a chegada à margem são feitos sobre solo mole necessita de planejamento e maquinário especial para sua execução. Com investimentos de R$ 68 milhões, a construção da ponte requer complexa estrutura de engenharia.

São dois canteiros de obras e infraestrutura de deslocamento de equipamentos para fundação da ponte, além de máquinas especiais de grande porte, tais como guindastes de 170 toneladas, equipamentos náuticos, tratores, dentre outros equipamentos.

Mesmo com o período intenso de chuvas deste ano, as equipes técnicas do consórcio responsável pela obra estão concluindo a fundação em área seca da ponte, construída em estrutura mista, composta de concreto e aço, com vigas metálicas.

“As chuvas têm impacto sobre a obra porque se trata de terreno muito mole. Para ter uma ideia, a área de solo mole tem profundidade de 19 a 23 metros. Do ponto de vista prático, é bastante complexo avançar a obra nessas condições”, explica Samuel Rogério Gonçalves, secretário Adjunto de Obras Rodoviários da Secretaria de Infraestrutura (Sinfra).

“Mesmo assim, conseguimos manter o cronograma e evoluir na sondagem de confirmação das estacas e das fundações, etapa importante para a consolidação da obra”, acrescenta.

01577_terraplanagem_para_o_acesso_de_construcao_da_ponte_central_bequimao_fotos_mozart_magalhaes_1_5161371353460538049

A Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) adotou todas as medidas necessárias para que os entraves existentes em matéria de projeto, definição de método construtivo e de sondagem fossem superados. “Agora nós estamos avançando para o início mais efetivo da construção da ponte com as primeiras intervenções já sendo feitas inclusive às margens do Rio Pericumã. Então nós temos um plano de trabalho definido, vamos trabalhar intensamente agora no período de escassez de chuvas nesse segundo semestre, de modo que possamos avançar rapidamente, determinação do governador Flávio Dino para que essa obra seja realizada e entregue à população”, enfatiza, Clayton Noleto, secretário de Estado da Infraestrutura.

Localizada na MA-211, a ponte tem extensão de 589 metros e interligará os municípios de Bequimão e Central do Maranhão, criando acesso para as cidades de Apicum-Açu, Bacuri, Serrano do Maranhão, Cururupu, Porto Rico, Cedral, Guimarães e Mirinzal, reduzindo em até 152 km o percurso e solucionando os entraves de mobilidade urbana para os moradores da região.

Além disso, garante escoamento da produção, alavancagem do turismo e mais rapidez no acesso à capital do Maranhão, São Luís, e ao estado do Pará.
01577_terraplanagem_para_o_acesso_de_construcao_da_ponte_central_bequimao_fotos_mozart_magalhaes_2_490311348289085943
“A Ponte sobre o Rio Pericumã é um sonho não apenas da cidade de Bequimão, mas de toda a região. Ela trará desenvolvimento econômico porque vai gerar movimentação no setor de comércio, serviços e trazer empregos”, disse o governador Flávio Dino ao lançar a obra em setembro do ano passado.

A Sinfra deve licitar em breve a pavimentação dos trechos de acesso à ponte. Serão seis quilômetros de asfalto tanto no município de Bequimão quanto no município de Central do Maranhão

Mais mobilidade para a Baixada Maranhense

Obra historicamente aguardada pela população da Baixada Maranhense, a Ponte Sobre o Rio Pericumã é uma das muitas obras rodoviárias do Governo do Maranhão.   No trecho que liga o município de Governador Nunes Freire a Cujupe, foram 186 quilômetros de asfalto, com investimentos de R$ 3,7 milhões.

Para melhorar o acesso que liga Serrano do Maranhão a Bacuri, a Sinfra recuperou ponte de concreto, investindo R$ 78 mil na obra.  Também foram recuperadas as pontes Liconde e Santa Maria em Cururupu, com investimentos de quase R$ 200 mil.

O Governo também investe mais de R$ 10 milhões em obras do Programa Mais Asfalto com serviços na entrada das MAs 106, em Pinheiro, e 304, em Mirinzal, totalizando 60 quilômetros; na MA-014, na altura do povoado Três Marias, em São Bento até São Vicente Férrer, com serviços  mais de 102 km de extensão, além de 22 quilômetros de asfalto em vias nos municípios de Pinheiro, Santa Helena, Turiaçu, Apicum Açu, Serrano e Bacuri.


Parlamentares da Baixada Maranhense destacam apoio da gestão estadual com o Encontro de Vereadores e Vereadoras

WhatsApp Image 2017-05-30 at 20.22.16“Conheci bons projetos do Governo do Estado, programas que quero levar para o meu município; e a gente que está lá na ponta precisa disso, com certeza foi muito importante para mim e para todos os vereadores maranhenses”. A declaração resume o que a vereadora Raquel Paixão, de Bequimão, na Baixada Maranhense, achou do Encontro com Vereadores e Vereadoras, realizado nesta semana em São Luís.

Promovido pelo Governo do Maranhão, o evento reuniu mais de 1,1 mil parlamentares de 194 municípios, que receberam informações relativas a temas como meio ambiente, controle fiscal e também aos programas desenvolvidos pelo Executivo estadual. Os temas foram apresentados pelos palestrantes técnicos, convidados e pelo governador Flávio Dino. Também foram montados stands específicos para alguns dos programas desenvolvidos.

Para Raquel, os espaços foram uma surpresa positiva, de onde levará boas iniciativas para Bequimão. “Desde a entrada já tirei várias dúvidas, conheci o que o Governo está levando até para os outros municípios e certamente vou levar algumas ideias para nossa comunidade, como a formação dos Conselhos de Segurança para integrarmos o Pacto pela Paz”, informou.

Para outro vereador da Baixada Maranhense, o presidente da Câmara de Cururupu, Ebenilson de Jesus, o evento fortaleceu ainda mais o diálogo que o a gestão estadual tem realizado com os municípios. “É um encontro muito importante e, como presidente da Câmara, vim aqui buscar esclarecimentos, novas informações, trazer as demandas do nosso município. Graças a um evento assim, podemos estar mais próximos do Governo do Estado até para saber o que é possível fazer”, afirmou.

O sentimento é compartilhado pelo vereador Isaac, de São João Batista. “É um momento de dialogar, discutir os problemas dos nossos municípios, que são muitos, especialmente os mais pobres, e conferir o que o Governo do Estado pode fazer pelos mais necessitados”, declarou.


Pacto Federativo no Maranhão

Por Flávio Dino

WhatsApp-Image-2017-05-30-at-17.56.021-360x240Um dos principais desafios de um país vasto territorialmente como o nosso é encontrar uma adequada forma de organização das funções de Governo. Desde o alvorecer da República, optamos pela forma federativa, hoje consagrada como cláusula pétrea da Constituição, ou seja, nem mesmo por emenda constitucional pode ser alterada. Isso traz como consequência o nascimento de um pacto entre os entes federados, regrado pela Constituição, em que cada um tem suas esferas de autonomia e de competências. Contudo, isso não pode implicar a existência de departamentos estanques, em que um não conversa nem ajuda o outro. Em verdade, é exatamente o oposto na atual quadra histórica, vale dizer: prevalece o federalismo cooperativo, em que Governo Federal, Governos Estaduais e Municipais devem colaborar reciprocamente tanto quanto seja financeiramente possível.

Foi inspirado nesse objetivo de atender ao melhor federalismo possível que, na semana passada, realizamos em nossa capital o Encontro com Vereadores e Vereadoras, com o tema: “Cidades com Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental”. Fiquei feliz por encontrar com mais de 1.100 legisladores municipais e dialogar sobre os projetos para manter o Maranhão no rumo de avanços. Neste momento de crise nacional, econômica e política, foi um sinal inequívoco de que é pelo diálogo que construímos um futuro melhor para todos.

Nossa crise econômica em muito decorre da falta de saídas políticas para o impasse a que o Brasil chegou. E infelizmente, desenvolveu-se no país uma ideia de que a política é uma atividade nefasta e nociva. No entanto, basta olhar com serenidade para as últimas três décadas de história para aferir que apenas o diálogo público de interesses diversos, princípio ontológico da política, é capaz de criar consensos por aproximação. Daí surgiram avanços como o combate à inflação nos anos 1990 e as políticas sociais dos anos 2000.

Por isso, é revitalizador poder encontrar com tantos partícipes da política como na terça-feira passada. Ainda mais pessoas que vivem o dia a dia da política com tanta proximidade, nas cidades, nos bairros, nos povoados. Lembro que, quando fui deputado federal, me posicionei enfaticamente a favor da recomposição do número de vereadores, justamente por entender que, quanto mais comunidades estiverem representadas, melhor para a boa pratica democrática.

Com os parlamentares municipais, expus as ações que estamos fazendo em prol dos municípios. Como o Programa Mais Asfalto, com o qual já beneficiamos 158 cidades, recapeando mais de 1.000 km de vias urbanas, auxiliando nessa atribuição dos municípios. Também estamos entregando uma ambulância para cada cidade do Maranhão, para melhorar o atendimento à saúde. Já foram entregues 86 ambulâncias este ano, equipadas com macas, umidificador, cadeira de rodas, cilindro e bala de transporte para oxigênio, podendo funcionar como Unidade de Suporte Avançado (USA). E mesmo em meio a uma das maiores crises econômicas dos últimos 100 anos, estamos aumentando a transferência de recursos estaduais aos municípios. Em 2014, o Governo do Estado repassou R$ 861 milhões às cidades maranhenses. No ano passado, foram repassados R$ 1,2 bilhão. Um crescimento de quase 50%.

Esse é o nosso caminho: parcerias efetivas, com resultados para a população, em lugar de meras folhas de papel e enganações – como tantas vezes infelizmente ocorreu no Maranhão.

Todos juntos estamos trabalhando para superar esse momento grave que vive o país, construindo aqui no Maranhão uma realidade melhor para todos. Nosso governo tem como missão cuidar das pessoas. E é isso que temos feito, de mãos dadas e braços abertos para apoiar prefeitos, vice-prefeitos e vereadores de todo o estado, sempre colocando na frente o interesse da população.

Advogado, 49 anos, Governador do Maranhão. Foi presidente da Embratur, deputado federal e juiz federal.