Festa do Divino de Alcântara encerra com anúncio de reforma e criação de casas de cultura

FEsta do DivinoA Festa do Divino Espirito Santo de Alcântara, uma das mais tradicionais do Brasil, foi encerrada neste domingo (20) com a realização da tradicional Missa de Pentecostes do Divino, realizada na Igreja do Carmo, e o anúncio de obras de reforma e criação de novas casas de cultura pelo Governo do Estado.

Presente no encerramento, o governador Flávio Dino destacou a importância religiosa e cultural da festa.

“Nós valorizamos a cultura do Maranhão, por isso apoiamos todas as festas tradicionais do nosso estado. É um vetor importante para o desenvolvimento regional com a geração de empregos e oportunidades de trabalho, além da dimensão religiosa, que nós temos a visão de que o Estado tem o dever de apoiar todas as correntes filosóficas e fazemos isso de modo amplo”, afirma o governador.

Ainda durante a missa, Dom Hélio Rama, bispo da Diocese de Pinheiro, falou sobre a importância da presença do governador Flávio Dino na Festa do Divino. “Essa presença nos anima, nos ajuda para encontrarmos caminhos que nos mostram um futuro mais seguro, mais garantido para cada um de nós”.

A Festa do Divino de Alcântara é realizada há mais de três séculos e tem contado com o apoio do Governo do Maranhão, por meio da Secretária de Estado de Cultura e Turismo (Sectur), nos últimos anos.

Em 2018, aproximadamente R$ 300 mil foram doados para a realização da festa, que lotou becos e ruas da cidade histórica durante os 12 dias de festa. “O Governo do Estado vem apoiando a Festa do Divino nos últimos anos e esse ano continuamos com a valorização dessa festa que é reconhecida internacionalmente”, afirma o secretário da Cultura e Turismo, Diego Galdino.

O prefeito de Alcântara, Anderson Wilker, fez questão de agradecer o apoio e a realização de ações do Governo do Estado na cidade. “O estado tem sido um grande parceiro em várias ações no município de Alcântara e na Festa do Divino não foi diferente. Agradecemos o apoio do Governo não só na festa, mas em todas as ações que estão sendo feitas”.

Casas de Cultura

Durante o encerramento da festa, o Governo do Estado anunciou o início da reforma da Casa do Divino, que abriga a Casa da Imperatriz ou do Imperador (dependendo da escolha do ano) e a reforma e instalação fixa da Casa do Mordomo Régio, que atualmente funciona de forma improvisada e dependendo de doações do espaço.

Haroldo Júnior, um dos organizadores da festa, destaca a importância de ter um espaço próprio para abrigar os pertences do Mordomo Régio e dos Mordomos Baixos.

“Essa é mais uma comprovação que a Festa do Divino de Alcântara merece ser perpetuada, merece o apoio e tem tudo para continuar com essa tradição que eleva ainda mais o potencial da cidade de Alcântara pela fé que move os moradores a realizarem a festa, pela atração de turistas e que consegue fazer um ciclo de renovação a cada ano”, destaca Haroldo.

Com o anúncio, a casa que abrigou a festa esse ano será a sede fixa, onde também funcionará o Museu do Mordomo Régio durante o resto do ano.

Presente no encerramento, o governador Flávio Dino destacou a importância religiosa e cultural da festa. 


Bequimão, Cururupu, Guimarães, Porto Rico e Alcântara serão contemplados com cursos de qualificação turística

Polo Floresta dos GuarásOs municípios de Cururupu, Bequimão, Guimarães, Porto Rico e Alcântara receberão, a partir desta segunda-feira (17), os projetos “Mais Qualificação e Turismo” e “Regionalização”. A ação que acontece até o dia 20 de abril é uma iniciativa do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), e irá beneficiar o Polo Floresta dos Guarás e Alcântara, município pertencente ao Polo São Luís.

“Por determinação do secretário de Estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino, estamos visitando todos os polos a fim de medir as atividades turísticas dessas regiões e incentivar a melhoria contínua das atividades turísticas. O programa de Regionalização melhora e estrutura o turismo dos municípios com uma série de ações, uma delas é o Cadastur, que promove a regularização dos meios de hospedagens, com isso, a categorização sobe, assim, os municípios ficam aptos para captar recursos do Ministério do Turismo e da Embratur. Nesta gestão, nós unificados os programas “Mais Qualificação e Turismo” e “ Regionalização” por entendermos que essas atividades precisam andar de forma paralela potencializando o turismo e otimizando os recursos”, explica o secretário adjunto de Turismo, Hugo Veiga.

Os municípios irão receber a equipe da Secretaria Adjunta de Turismo da Sectur com uma agenda de reuniões técnicas, palestras, cursos de qualificação e ações esclarecedoras voltadas para o novo sistema de Cadastro de Pessoas Físicas e Jurídicas do Turismo (Cadastur).

Nos cinco municípios, as pessoas interessadas terão a oportunidade de participar dos cursos de Organização de eventos, Qualidade no atendimento, Como manter um negócio: cama e café, Técnicas para recepção para meios de hospedagens, Qualidade no atendimento em bares e restaurantes, Boas práticas para manipulação de alimentos e Gestão Pública para o Turismo e Projetos Técnicos (este último para servidores públicos).

Regionalização
O Polo Floresta dos Guarás e o município de Alcântara também receberão as ações do programa Regionalização. O programa reúne ações de maneira associada e articulada de incentivo à estruturação dos 10 Polos Turísticos, como reuniões técnicas com gestores e secretários de Turismo e curso de Gestão Pública para o Turismo e Projetos Técnicos. Na oportunidade, também será feita a identificação dos atrativos e das condições de infraestrutura das localidades, servindo de base para conscientização e monitoramento para o remapeamento em 2019.


Festa do Divino de Alcântara terá apoio do governo do Maranhão

Festa do Divino - AlcântaraCom mais de 400 anos de existência, a tradicional Festa do Divino Espírito Santo de Alcântara contará mais uma vez com o apoio do Governo do Maranhão por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur). A garantia do apoio no valor de R$ 300 mil foi anunciada pelo titular da Sectur, secretário Diego Galdino, durante reunião na manhã desta segunda-feira (12) no município com o prefeito Anderson Wilker e a comissão organizadora da festa.

Este ano, a festa será realizada de 9 a 20 de maio e promete movimentar toda a histórica cidade de Alcântara. “Além da incontestável relevância histórica e cultural da Festa do Divino de Alcântara, o período ainda é muito importante para a movimentação econômica de toda a região, com a produção e comercialização dos tradicionais doces de espécie e a atração turística, com a recepção de pessoas vindas de todas as regiões do Brasil e até de outros países”, pontuou o secretário Diego Galdino.

Este ano, o valor do investimento do Governo do Maranhão para a Festa do Divino será de R$ 300 mil. O recurso será utilizado para custear os 12 dias de festa, contemplando tanto a parte religiosa, dos rituais dos festeiros, quanto a parte profana, que contempla grandes shows na Praça do Pelourinho.

Prefeito de Alcântara, Anderson Wilker comemora a parceria com o Governo do Maranhão, fundamental para a manutenção do evento. “Sem o apoio e investimento do Governo, seria inviável fazer a festa. Desde que essa gestão assumiu, temos conseguido manter um diálogo permanente, que nos permite planejar a festa sempre com antecedência e realizar belíssimos eventos. Esse ano certamente não será diferente”, frisou.

Para oferecer uma experiência ainda mais agradável a turistas que estiverem em Alcântara no período da Festa do Divino ou em outras épocas do ano, a Sectur vai realizar no município no mês de abril uma edição do Projeto Mais Qualificação e Turismo. Pelo projeto, serão ofertados por técnicos da Sectur cursos de guia turístico, bom atendimento em bares e restaurantes, manipulação de alimentos e recepção hoteleira a empresários e trabalhadores da região.

A Imperatriz desse ano, Maria Izabel Araújo Serêjo lembrou que a parceria com o Governo do Maranhão para a realização da Festa do Divino nem sempre foi assim. “Já participei da festa em outros anos, em outras funções, e antes era muito difícil. Não tínhamos a garantia de apoio com antecedência e quando o apoio vinha era bem reduzido. Agora tá bem diferente. Ano passado fizemos uma festa muito linda e esse ano tem tudo pra ser ainda melhor”, lembrou.

Reforma das Casas de Cultura

Na passagem por Alcântara, o secretário Diego Galdino também anunciou a reforma das duas casas de cultura no município: o Museu Histórico e Artístico de Alcântara e a Casa do Divino de Alcântara, equipamento culturais que atua fortemente na preservação e difusão das tradições e memória do povo alcantarense.

As reformas terão início no mês de junho e fazem parte do planejamento da Sectur de reformar todos os equipamentos culturais vinculados à secretaria. Já foram entregues: Cacem, Concha Acústica da Lagoa da Jansen, Escola de Música, Casa de Cultura Josué Montello e Convento das Mercês. Estão em andamento as reformas da Casa de Nhozinho, Morada das Artes e Cafua das Mercês. Em seguida entrarão em reforma os equipamentos de Alcântara e a sede da Sectur, na Praia Grande, em São Luís.


Polícia Civil deflagra operação de combate ao tráfico de drogas em Alcântara

PCA Polícia Civil, por meio da Delegacia de Polícia Civil de Alcântara/MA (DPA), com apoio de equipes da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC), deu cumprimento, na manhã desta sexta-feira (09), ao cumprimento de 03 (três) mandados de buscas e apreensões na região central da cidade de Alcântara/MA, culminando na prisão em flagrante delito do indivíduo Johnatan Willy Silva e Silva, 27 anos, pelo crime de tráfico ilícito de drogas (art. 33, caput, da Lei n 11.343/06).

Com o suspeito, foram apreendidos alguns invólucros de crack e toda a contabilidade do tráfico de drogas em uma caderneta. O preso Johnatan é integrante de facção criminosa e era a pessoa responsável por comandar o tráfico de drogas naquele município. A ação policial foi desenvolvida com o objetivo de reprimir e prevenir novas infrações penais nesse período carnavalesco naquela região do Estado do Maranhão.

MPMA celebra TAC com a Câmara de Vereadores de Alcântara

A Câmara de Vereadores de Alcântara tem até o próximo dia 28 de fevereiro para apresentar a relação das contas do Executivo municipal ainda pendentes de julgamento pela referida casa legislativa.

O compromisso foi firmado em Termo de Ajustamento de Conduta assinado pelo vereador-presidente da Câmara, José Ribamar de Jesus Barbosa, com a Promotoria de Justiça de Alcântara, em 19 de dezembro de 2017.

Conforme o TAC, o Legislativo se comprometeu, ainda, a adotar outras providências nesse mesmo prazo, como: entregar cópia de todos os processos legislativos ou certidão que aponte, em caso de rejeição de parecer do TCE pela desaprovação de contas, ter sido obedecido o quórum de dois terços da Câmara; inserir e manter por todo o exercício, no Portal Eletrônico da Câmara, as contas apresentadas pelo Executivo municipal, para consulta e apreciação pelos cidadãos; encaminhar projeto de lei com a inclusão na Lei Orgânica Municipal, se não existir, de prazo de até três meses para julgamento, pela Câmara de Vereadores, das contas anuais da Prefeitura, contados do recebimento do parecer do TCE.

Em caso de descumprimento das obrigações, o Legislativo estará sujeito ao pagamento de multa diária no valor de R$ 500.


Governo investe R$ 300 mil para incentivo e preservação cultural da Festa do Divino em Alcântara

unnamed (1)Considerado um dos mais tradicionais festejos do Maranhão, o Divino Espírito Santo de Alcântara, mais uma vez, recebeu o apoio do Governo do Maranhão. Com investimento do Executivo Estadual de R$ 300 mil, a festa, este ano, foi iniciada nesta quarta-feira (24) e se estende até o dia 4 de junho. O recurso, de acordo com o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Diego Galdino, traduz a preocupação do Governo do Maranhão com a preservação da cultura popular e a promoção do turismo.

“Com esse investimento, garantimos a manutenção de um calendário regular de eventos culturais em nosso estado, o valoriza e colabora com a perpetuação de um dos nossos maiores bens que é a nossa cultura e atrai milhares de pessoas que, consigo, trazem toda uma movimentação para o turismo, gerando renda para os maranhenses”, diz o secretário.

Nos próximos 12 dias, Alcântara será tomada pelo clima das festividades o que inclui a realização de missas, hasteamento do mastro, além dos cortejos que percorrem ruas, ladeiras, becos e a casa dos moradores do município. Um dos pontos altos da festa acontece no salão nobre do Palácio Imperial de Alcântara, local onde é montado um altar para apresentação dos membros da corte.

História

A Festa do Divino Espírito Santo de Alcântara é realizada desde o século XVI. A manifestação de fé e devoção – ao Espírito Santo que anunciou a ressurreição de Jesus Cristo –  celebra ainda os costumes da corte portuguesa, com personagens que representam o império. Para acontecer, são mais de mil pessoas envolvidas diretamente com a organização dos doze dias da festa.


Governo elabora projeto para novos cais flutuantes em São Luís e Alcântara

unnamedO presidente da Agência Executiva Metropolitana (Agem), Pedro Lucas Fernandes, entregou a concepção do projeto de novos cais flutuantes para São Luís e Alcântara, ao Capitão-de-Mar-e-Guerra André Luiz Trindade Gomes, comandante da Capitania dos Portos do Maranhão, para aprovação da Marinha do Brasil.

A ideia elaborada pelos técnicos da Agem e da Administração das Hidrovias do Nordeste (Ahinor) foi apresentada anteriormente ao governador Flávio Dino, que aprovou a construção, por entender a necessidade de melhorar a integração entre as cidades e modernizar o atracadouro de Alcântara, um dos principais acessos à Baixada Maranhense.

Após o aval do governador, a Agência Metropolitana tem articulado com os gestores das duas cidades (São Luís e Alcântara) para viabilizar a realização do projeto, por meio de parceria. A expectativa é que a licitação seja realizada o mais breve possível, após a aprovação do projeto de execução.

Projeto
Serão construídos terminais portuários de pequeno porte, com o objetivo de dar mais estabilidade aos horários de viagens hidroviárias que ocorrem entre São Luís e Alcântara. Quando estiver em funcionamento, esses novos cais flutuantes trarão mais segurança nas operações de embarque e desembarque, nos padrões exigidos pela Marinha do Brasil e possibilitará a travessia a qualquer hora do dia ou da noite – o que pode aumentar o fluxo de turistas.

O projeto faz parte do Plano de Ações da Região Metropolitana da Grande São Luís, desenvolvido pela Agem, que engloba também a mobilidade urbana. “Estamos articulando projetos e programas integrados para o cumprimento de funções públicas de interesse comum e assim melhorar a vida de milhares de maranhenses que vivem na região metropolitana”, pontuou Pedro Lucas, presidente da Agem.

O único cais que existe na cidade está bastante deteriorado e ameaça afundar. A peça serve para desembarcar os moradores, visitantes e até militares que chegam para a base de Lançamento de Foguetes da Força Aérea Brasileira (CLA). A responsabilidade pela manutenção é da prefeitura de Alcântara, mas o governo do estado do Maranhão, através da gestão metropolitana, tomou a iniciativa de resolver este problema que preocupa moradores.


Abertas matrículas para centro de educação integral em Alcântara

IMG_3689As matrículas para os alunos interessados em uma vaga no primeiro ano do Ensino Médio em um dos 11 Centros de Educação Integral no Maranhão, criado pelo governador Flávio Dino, começaram na segunda-feira, 16, e prosseguem até 27 de janeiro. Poderão ser realizadas nas próprias escolas. O município de Alcântara é um dos beneficiados com um dos centros de educação integral no C.E. Professor Aquiles Batista Vieira.

Nos Centros de Educação Integral, o período letivo diário dos estudantes terá duração de 7h50, de segunda a sexta-feira, totalizando 37,5 horas/aulas semanais. Os alunos terão uma integração entre as disciplinas do ensino regular (como Português, Matemática e História) com disciplinas eletivas (como Robótica, Protagonismo Juvenil, Iniciação Científica, Futsal, Handebol e Dança), que serão definidas a partir de uma seleção de temas escolhidos por estudantes e professores.

‘Educa Mais’, como serão chamados os Centros de Educação Integral, consistem em um novo modelo de escola pública, que visa o desenvolvimento dos estudantes nas dimensões intelectual, social, cultural, física e emocional por meio de ações integradas e em tempo integral. Envolvem setores que influenciam diretamente a formação plena dos estudantes como família, educadores, gestores e comunidades locais. São ofertadas cinco mil vagas nos 11 Centros na capital e no interior, sendo 1.960 vagas para o 1º ano do Ensino Médio e 3040 vagas para os 2º e 3º anos.

Para fazer a matrícula no 1º ano da Educação Integral, o estudante deve ter concluído ou está concluindo o 9º ano do ensino fundamental em escolas regulamentadas das redes federal, estadual, municipal ou privadas. Os estudantes que residem mais próximos das referidas escolas ou que sejam oriundos de uma escola mais próxima, terão prioridade.

Para se matricular, os estudantes, acompanhados do responsável, devem comparecer à escola onde funcionará o centro, munido com original e cópia dos seguintes documentos: Histórico Escolar ou Declaração de escolaridade da última Unidade de Ensino em que estudou; duas fotos 3 X 4 recentes; Certidão de Nascimento/Casamento ou RG com CPF do estudante, se possuir; RG e CPF do responsável legal, no caso de estudante menor de 18 anos; Laudo comprobatório de deficiências declaradas (se for o caso); fatura da concessionária de energia elétrica atualizada (máximo de três meses). Quando a fatura não estiver em nome do responsável pelo estudante, apresentar, conjuntamente, outro comprovante de endereço em nome da mãe/pai/responsável pelo estudante.

Para os 2º e 3º anos, a rematrícula será automática para os alunos da casa. As vagas excedentes serão preenchidas com alunos externos, obedecendo ao critério de proximidade da escola. “Aquele aluno que estiver estudando na escola, que agora vai funcionar como centro de educação integral, e não tiver o interesse de cursar o ensino médio integral, deve procurar outra escola da rede estadual mais próxima”, destacou a secretária Adjunta de Ensino da Seduc, Nádia Dutra.

Confira os Centros de Educação Integral com matrículas abertas:

São Luís – Almirante Tamandaré (Cohab); Professora Maria Mônica Vale (Vinhais); Dorilene Silva Castro (Coroadinho); Professora Margarida Pires Leal (Alemanha); Joana Batista (Cidade Olímpica), e CAIC Barjonas Lobão (Cidade Operária).

Alcântara – C.E. Professor Aquiles Batista Vieira;

Santa Inês – C.E. Poeta Antônio José;

São José de Ribamar – CAIC São José de Ribamar;

São Bento – C.E. Kiola Costa, no município;

Timon – C.E. Jacira de Oliveira e Silva.


Município de Alcântara recebe escola que beneficiará 2.400 mil alunos

4ecb5918-66d2-44d9-b55b-ab5cc72891cd-1024x682A escola Aquiles Batista Vieira, em Alcântara, é um dos quatro centros de ensinos que foram entregues nesta sexta-feira (29), do programa “Escola Digna”, que reconstrói as unidades, transformando-as em um espaço salubre, digno e acolhedor, para que a dinâmica do processo de ensino e aprendizagem seja prazerosa e transformadora.

As entregas desta sexta-feira beneficiam aproximadamente 2.400 alunos. Ao todo, o Governo do Maranhão está investindo na reforma e reconstrução de mais de 60 unidades da rede estadual de ensino, que irão atender cerca de 40 mil estudantes em 36 cidades. Os investimentos somam mais de R$ 90 milhões.

Em Alcântara o investimento foi de R$ 1.345.92,03 para contemplar 400 alunos, que lutavam por um ensino mais humanizado. “A reforma foi muito boa para todos. Antes dessa nova estrutura, os professores, e nós alunos, tínhamos dificuldades. Na sala de aula, o sol invadia e não conseguíamos enxergar o que estava escrito no quadro. Outro ponto foi a climatização, que acabou com a agonia que tínhamos por conta do calor. Era desumano e chegávamos até adoecer. Com essa melhoria o ritmo de aprendizado será outro”, elogiou a estudante do ensino médio da escola, Layanna dos Santos Soares.f20f0888-4d0a-4d66-9335-78239819d033-1024x682

Na cerimônia de entrega, o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, que representou o governador, falou do empenho do governo em levar essas melhorias na educação para todo o Maranhão. “A recuperação da escola em Alcântara é mais um marco para o Maranhão. Apresentar essa melhoria para toda a comunidade escolar, entre alunos e professores, é essencial para todos aqueles que precisam de educação. O ensino é o único caminho para a melhoria da qualidade de vida do povo maranhense”, pontuou Tavares.

Emocionado com o que aconteceu nesta sexta-feira (29), o gestor do Centro de Ensino Aquiles Batista Vieira, Mauro Brito, falou sobre a sua história na unidade escolar. “Eu estudei aqui na década de 80, quando a escola ainda estava com sete anos de inaugurada e não existia prédio próprio e nem o Ensino Médio, apenas o fundamental”. Por este motivo, Brito se mudou para São Luís para concluir os estudos. “Na década de 90 eu retornei e prestei concurso para lecionar na escola. No ano passado, fui eleito a gestor. Nessas três décadas, existiram diversas situações, tendo que usar escola emprestada pela prefeitura ou em prédios alugados pelo Estado”.

O gestor conta, também, que em 2005 veio a construção da sede própria, mas em 2010 apareceram diversos problemas. “No entanto, com a reforma realizada agora por essa gestão onde climatizaram os ambientes e deram uma melhoria na parte hidráulica e elétrica, nós estamos com esperança de resgatar o nosso alunado e a expectativa deles”, finalizou.


Com comida, mas sem emprego: ‘capital’ do Bolsa Família teme por futuro do programa

Daniel Gallas

Correspondente de Economia da BBC para a América do Sul

Mãe de seis filhos, Ana Rita de Jesus está preocupada com o futuro da presidente Dilma Rousseff.

Ela trabalha em uma cooperativa de mulheres artesãs na comunidade rural de Itamatatiuá, no Maranhão.

“Eu vi na televisão que eles querem tirar Dilma do poder e acabar com o Bolsa Família”, disse à BBC Brasil. “Se isso acontecer, talvez eu precise me mudar para uma cidade maior, porque não tem emprego aqui.”

O Bolsa Família – implantado em 2003, no primeiro governo do PT – é o maior programa de transferência de renda do mundo. Um total de 47 milhões de brasileiros inscritos, quase um quarto da população, recebe dinheiro mensalmente.

Sem ele, Ana Rita de Jesus estaria na pobreza extrema, mesmo com o salário que ganha com seu trabalho na cooperativa de artesanato.

Sua renda mensal fica em torno de R$ 65 – a depender de quantas peças de cerâmica a cooperativa vende. Do Bolsa Família, ela recebe R$ 237.

Programas sociais do governo mudaram paisagem de comunidade quilombola no Maranhão

Programas sociais do governo mudaram paisagem de comunidade quilombola no Maranhão

Casas ‘de verdade’

Toda a comunidade de Ana Rita foi transformada pelo programa. Itamatatiuá foi formada há cerca de 200 anos por quilombolas – descendentes de afro-brasileiros que fugiram das fazendas onde trabalhavam como escravos.

Até a década passada, a vida no local era marcada pela pobreza extrema. “Depois do ex-presidente Lula, nossa comunidade ficou muito melhor”, diz a líder local Neide de Jesus.

“Naquela época, o dinheiro não era o suficiente para a gente comprar coisas – só tínhamos o suficiente pra comer. As pessoas hoje têm geladeiras, fogões, televisões. Começamos a estudar e a ter casas de verdade.”

O assunto mais comentado na cooperativa atualmente é o futuro do Bolsa Família. Quase todas as mulheres da comunidade dependem financeiramente dele.

Famílias que estão abaixo da linha de pobreza – que no Brasil é de R$ 164 reais por mês – recebem, em média, R$ 176 por mês do governo.

Em troca, elas precisam manter seus filhos na escola com pelo menos 85% de presença em sala de aula e com a vacinação em dia. Não há requerimentos para famílias sem filhos que ficam abaixo da linha de pobreza.

‘Livre mercado’

Para lidar com a pior recessão em mais de duas décadas no país, a presidente Dilma Rousseff vem promovendo cortes drásticos no orçamento do governo no último ano. Mas apesar disso, ela afirmou que protegeria o Bolsa Família e outros programas sociais dos cortes.

A presidente argumenta que os supostos crimes fiscais dos quais ela é acusada em seu processo de impeachment – as chamadas “pedaladas” – eram procedimentos com o objetivo de, em parte, proteger estes programas.

Ana Rita de Jesus teme cortes no Bolsa Família, responsável pela maior parte de sua renda

Ana Rita de Jesus teme cortes no Bolsa Família, responsável pela maior parte de sua renda

O Bolsa Família também se tornou um dos argumentos de Dilma Rousseff nas últimas semanas, antes da votação sobre o início do julgamento de impeachment no Senado, contra o processo.

No início deste mês, ela disse a uma multidão de manifestantes que o vice-presidente, Michel Temer, removeria 36 milhões de pessoas do programa e as jogaria “no livre mercado, forçando os pobres a se virarem”.

Dias antes da votação, ela aumentou o valor do benefício em 9% e moveu a linha de pobreza para cima, para englobar mais pessoas no programa.

O discurso da presidente atingiu em cheio as mulheres em Itamatatiuá e muitas beneficiárias do Bolsa Família em todo o país. Elas temem que o benefício seja cortado em uma possível administração Temer.

A cooperativa de cerâmica lucra, em média, R$ 800 por mês, valor que é dividido entre seus 12 membros.

Mas a maior parte da renda das mulheres daqui não vem da venda de cerâmica. O Bolsa Família acaba valendo mais a pena financeiramente do que administrar um negócio ou conseguir um emprego, quando conseguem encontrar um.

Sucessos e fracassos

Itamatatiuá é uma das 207 pequenas comunidades em Alcântara, cidade maranhense que ilustra os sucesso e fracassos do Bolsa Família.

A cidade tem um IDH de 0,573, que ainda assinala um baixo padrão de vida, mas seu índice subiu 40% durante a última década.

Agora, as pequenas comunidades têm estradas que as conectam ao centro da cidade.

Quase 80% de Alcântara se beneficia do Bolsa Família, mas cidade não desenvolveu economia independente

Quase 80% de Alcântara se beneficia do Bolsa Família, mas cidade não desenvolveu economia independente

Outros programas sociais implementados pelo PT, como o “Minha Casa, Minha Vida”, construíram casas de tijolos onde haviam moradias de taipa.

Mas apesar das melhorias, a economia local passou a depender fortemente do dinheiro que vem do governo federal.

Em uma cidade de 21 mil moradores, impressionantes 78% deles recebem dinheiro do Bolsa Família. Na semana do pagamento, longas filas se formam diante do centro em que o dinheiro é distribuído desde as primeiras horas do dia até a hora do fechamento.

Algumas das mulheres da comunidade dizem querer uma melhor qualidade de vida, mas afirmam que não conseguem encontrar empregos.

Muitas delas simplesmente desistiram da ideia de trabalhar e se viram em melhor situação por terem muitos filhos e viverem do benefício.

O prefeito de Alcântara, Domingos Araken, do PT, admite que, após 13 anos de Bolsa Família, a cidade não conseguiu construir uma economia sustentável.

“Ao longo dos anos nós não conseguimos que nossa economia caminhasse com as próprias pernas – mas os programas sociais nos permitiram gastar mais em infraestrutura, como estradas e casas, e investir em educação. Espero que isso dê frutos agora e que nós não dependamos tanto do Bolsa Família no futuro”, disse à BBC Brasil.

Ele acredita que cortar gastos do programa pode forçar milhares de pessoas a migrar de cidades menores para grandes centros urbanos, em busca de empregos.

Futuro

O futuro do Bolsa Família será um desafio para a sociedade brasileira e para o novo presidente – seja o vice Michel Temer, caso Dilma Rousseff sofra impeachment, seja um novo mandatário eleito.

O PT diz ter ajudado a tirar 36 milhões de pessoas da pobreza e ter reduzido drasticamente a desigualdade.

O programa também recebeu elogios do Banco Mundial e foi copiado em muitos outros países.

Foto: Daniel GallasImage copyrightDANIEL GALLAS Image caption Mulheres de Itamatatiuá trabalham em cooperativa de cerâmica, mas renda depende de vendas

Foto: Daniel GallasImage copyrightDANIEL GALLAS
Image caption
Mulheres de Itamatatiuá trabalham em cooperativa de cerâmica, mas renda depende de vendas

No entanto, o déficit no orçamento brasileiro é alto e a dívida pública do país está em um caminho insustentável. Com o aprofundamento da recessão, aumentos de impostos já não parecem alternativas viáveis e o governo tem cortado gastos onde pode.

O vice-presidente, Michel Temer, e pessoas próximas a ele dizem que o Bolsa Família continuaria no topo da lista de prioridades de um novo governo, mas afirmam que nenhum programa social estaria imune a cortes.

Depois de uma década se beneficiando do crescimento econômico do Brasil, famílias em muitas comunidades pobres no país, como Itamatatiuá, agora temem que suas vidas possam mudar para pior.

Na cooperativa de cerâmica, Ana Rita de Jesus não acredita que seu salário será suficiente para sobreviver.

“Preciso de dinheiro do governo. Não é todo dia que conseguimos vender nossas peças de cerâmica, mas eu sei que posso contar com o Bolsa Família todo mês”, afirma.