Sonho realizado! Governo Flávio Dino entrega Escola Digna em Marajatiua Bequimão

WhatsApp Image 2018-08-15 at 22.48.19 (2)“Vai melhorar porque não tinha banheiro. Agora tem água na pia. Antes, não tinha. Estou achando muito bonito o colégio”, a inocente definição da pequena Priscila sobre a Escola Digna inaugurada no povoado de Marajatiua sintetiza a grandiosidade do programa do governo Flávio Dino, que substitui escolas de taipa por alvenaria e leva dignidade para alunos e professores.

Na comunidade, distante cerca de 25 Km da cidade de Bequimão, a escola era precária. A nova estrutura empolgou também os pais dos alunos de Ensino Fundamental. “Antes não existia e hoje já tem, graças a Deus e ao governador Flávio Dino. Essa escola maravilhosa. O governo faz muito para todos. Não faz só pra rico, mas pros pobres que mais precisam”, comemorou José Damasceno, pai de aluna.WhatsApp Image 2018-08-15 at 22.48.19 (1)

A gestora da escola, Solange, agradeceu as novas instalações. “Era difícil ver governantes olhando para nós, que moramos em povoados distantes.”, disse.

O secretário Felipe Camarão (Educação) afirmou que o programa Escola Digna foi idealizado pelo governador Flávio Dino para melhorar a educação do Estado e garantir que alunos e professores tenham as melhores condições para desenvolver suas atividades, além de apoiar os municípios. “Estivemos em Bequimão, para entregar aos moradores do povoado Marajatiua, a segunda Escola Digna da semana. O novo prédio da Unidade Integrada Sumaúma agora traz conforto e melhores condições de ensino aprendizagem para todas as crianças da comunidade”.Escola Digna-Robson Paz

O secretário adjunto de Comunicação e diretor da Rádio Timbira, Robson Paz, falou sobre a gratidão dos bequimãoenses ao governador Flávio Dino. “Nunca um governo fez tanto e em tão pouco tempo por Bequimão”. Citou o IEMA Vocacional, Bolsa Escola, CRAS, Sistemas de Abastecimento d’Água, ponte do Balandro, Canais da Produção, Academia da Saúde e a ponte Central Bequimão. “Só um governo que trabalha com amor à população é capaz de fazer obras como essa que leva dignidade e conhecimento para gerações”, discursou.WhatsApp Image 2018-08-15 at 22.48.19 (3)

Participaram do evento o prefeito Zé Martins (PMDB), o vice-prefeito Magal (PT), o ex-prefeito Leonardo Cantanhede (PSDB), ex-vice-prefeito César Cantanhede (PSDB), os vereadores Fredson (PCdoB), Raquel (PSDB), Valmir e Jorge Filho (PP), Vetinho (MDB), ex-vereadores Elanderson, Barbosa e Filuca; o gerente regional de Educação, Ribinha, além de secretários municipais, lideranças políticas e comunitárias.


Governo inaugura Escola Digna em Bequimão, nesta quarta-feira (15)

EScola Digna Marajatiua13O governo do Estado inaugura Escola Digna, no povoado Marajatiua, em Bequimão, nesta quarta-feira (15), às 9h. A informação foi confirmada pelo secretário Felipe Camarão (Educação) em seu perfil nas redes sociais.

“Boa noite para você que tem um governo que, só nesta semana que se inicia, irá inaugurar SEIS escolas dignas e DOIS faróis do saber. Receberão as obras: Turiaçu, Bequimão, Nina Rodrigues, Itapecuru, Timbiras e Chapadinha”, tuitou o secretário.

A escola terá salas de aula, banheiros, pátio, direção.

A obra integra o programa Escola Digna, criado pelo governador Flávio Dino, que substitui escolas de taipa, barro e palha por escolas de alvenaria.

Mais de 700 escolas já foram construídas, reformadas ou reconstruídas em todo Estado.

O investimento para construção da escola no povoado de Marajatiua é de R$ 347 mil e vai beneficiar alunos do povoado e região.

Também está em construção uma unidade do Escola Digna no povoado Santa Rita em Bequimão.


Na Ilha Sarney, Jerry visita escola de madeira que será Escola Digna

MJ-EscolaFoi depois de enfrentar um percurso transcorrido por barco, motocicleta e uma trilha a pé, que o presidente PCdoB, Márcio Jerry, enfim alcançou o povoado de Canto, no município da Raposa, mais precisamente na Ilha de Curupu, conhecida por abrigar as reservadas e luxuosas mansões da família Sarney. No pequeno povoado, as famílias vivem em pequenos casebres de madeira com cobertura de palha ou telhas de amianto, sob a permissão de quem eles chamam de “donos da ilha”. Os mesmo donos que por anos impediram que a única escola do povoado fosse reconstruída, de alvenaria. Agora, por determinação do governador Flávio Dino, que derrotou o clã em 2014, uma Escola Digna beneficiará quem mora no povoado.

Enquanto a pequena Maria Eduarda, de 5 anos, apresentava a escola Manoel Batista, de uma única sala, que divide com outro 14 alunos de outras turmas, o presidente do PCdoB se disse Impactado com o contraste que berra na “Ilha dos Sarney”. “Aqui se encontra a ostentação, o luxo, dos supostos herdeiros que se apropriaram daqui capitaneados pelo ex-presidente José Sarney, e a escassez cujo o retrato maior é essa escola”, opinou Márcio Jerry.

Aos relatos minuciosos de Maria Eduarda, foi possível entender a difícil situação que a comunidade enfrenta. “Aqui eu estudo, brinco e merendo. Mas é muito pequeno, tem marimbondo na sala e o ventilador não funcionava, o banheiro é lá fora, na casa da minha tia (vizinha a escola)”, contou a pequena.

Márcio Jerry esteve no povoado a convite do presidente da Câmara de Raposa, o vereador Beka Rodrigues, que propôs o projeto aprovado pela Casa, sugerindo ao governador e ao secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão, que a pequena escola fosse incluída no programa Escola Digna, de substituição, em todo o Maranhão, de estruturas precárias por espaços com condições dignas de ensino e aprendizado. “A razão maior é pela situação do descaso. São anos que essa comunidade vive essa triste situação. E foi atendendo a essa necessidade que levei à Câmara e fiz o pedido ao governador para incluir essa escola no programa”, relatou o vereador.

Beka ainda contou que a gestão municipal tentou uma vez reformar a escola, mas os “proprietário da ilha” não permitem que estruturas de alvenaria sejam ali construídas. Ao que Márcio identificou a dolorida constatação: “O José Sarney, que tem cadeira na Academia Brasileira de Letras, não quer, na Ilha em que ele diz ser dono, uma escola, não quer que os meninos e as meninas daqui tenham acesso à educação”.

Com a notícia, já assegurada pelo Governo do Estado, de que ali será erguida uma escola, quem se animou foi a pequena Maria Eduarda. “Agora sim!”, comemorou.


Diálogo: auxiliares do governo visitam escolas da rede estadual em Bequimão

Danilo-BequimãoO subsecretário Danilo Moreira (Educação) e o secretário adjunto Robson Paz (Comunicação) visitaram as escolas da rede estadual Manoel Beckman e Aniceto Cantanhede, no município de Bequimão, nesta quinta-feira, 19.

Acompanhado dos gestores Francisco Ferreira e Marcelo, professores, vereadores Fredson (PCdoB) e Raquel (PSDB) e lideranças, como César Cantanhede, Bernal, Elanderson e Júnior, os auxiliares do governo Flávio Dino dialogaram com os estudantes e profissionais da educação.Visita Estudantes Bequimão

Alunos, professores e gestores mostraram a realidade das unidades de ensino e solicitaram melhorias, na estrutura dos prédios. Entre as principais reivindicações estão novas carteiras, recuperação da quadra esportiva e climatização das salas de aulas. “O governo Flávio Dino realiza hoje o maior investimento na educação do Maranhão, por meio do Escola Digna, com melhoria das condições estruturais e valorização de professores em todo o Estado. Vamos fazer o máximo que pudermos para atender os justos pedidos da comunidade escolar de Bequimão com ações de curto, médio e longo prazo”, afirmou Danilo Moreira.

O subsecretário de Educação mencionou os investimentos feito pelo governo Flávio Dino na educação em Bequimão com a implantação do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia (IEMA) Unidade Vocacional, a construção de duas escolas dignas, nos povoados de Marajatiua e Santa Rita, a distribuição gratuita de uniforme para todos os alunos da rede estadual e o programa Bolsa Escola.

TEMPO INTEGRAL

O vereador Fredson entregou indicação apresentada na Câmara de Vereadores solicitando a implantação de escola de tempo integral na cidade, por meio do programa Educa Mais, do governo do Estado.

O secretário adjunto afirmou que a Seduc enviará equipe técnica para fazer estudo das condições estruturais para avaliar a possibilidade de implantar o ensino em tempo integral no município, no próximo ano letivo.

Robson Paz Estudantes

MAIS IDEB

O secretário adjunto Robson Paz parabenizou os alunos de Bequimão pelo resultado no Mais Ideb, realizado pela Secretaria de Estado da Educação. A escola Manoel Beckman ficou entre os oito melhores desempenhos entre os estabelecimentos de ensino da rede estadual da Baixada Maranhense. “Estão de parabéns gestores, professores e especialmente os estudantes pelo ótimo desempenho. Tenho certeza que teremos resultados ainda melhores, nos próximos anos”, disse.


Obra estruturante

Robson PazROBSON PAZ

Há um mantra entre opositores do governador Flávio Dino acerca de qual obra estruturante foi construída pela gestão. Tem sido esta a principal crítica feita ao governo mais eficiente do Brasil, segundo o portal de notícias G1.

Há quem veja em viadutos as obras estruturantes. Recorramos às sagradas escrituras e veremos que uma das maiores obras de Deus foi a criação do ser humano. Coerente, pois, que entre nós pobres mortais, a valorização de homens e mulheres esteja entre os atos mais nobres.

Neste contexto, não há obra mais estruturante do que valorizar o ser humano e combater a desigualdade social. E não há forma mais eficaz de praticar isto que investir em educação.

São programas e ações que asseguram às crianças, jovens, adultos e idosos dignidade e conhecimento. Só pode entender a grandiosidade da obra do atual governo quem se sensibiliza ao ver crianças estudando descalças; escrevendo com toco de lápis; em palhoças, sem carteiras, onde o banheiro é o mato.

É disso que cuida o governador Flávio Dino quando oferece o Bolsa Escola para que as famílias de baixa renda possam adquirir material escolar para os filhos; ao construir, reconstruir e reformar escolas abandonadas por décadas e substituir escolas de taipa, barro e palha por prédios em alvenaria; ao oferecer oportunidade para jovens pobres de ingressarem em escolas de tempo integral e profissionalizantes com padrão de escola particular; ao proporcionar intercâmbio em outros países para alunos egressos de escola pública ou expandir e construir universidade pública e de qualidade.

A obra em construção no Maranhão é viva, perene, luminosa. Constrói o presente, prepara o futuro, mas tem ainda uma dimensão restauradora. É maravilhoso ver idosos, vítimas de um sistema opressor, com lágrimas nos olhos, sentados num banco escolar comemorando a alfabetização. Mais que correção de um modelo injusto e excludente, cada idoso e idosa que realiza o sonho de ler e escrever pela primeira vez, por meio do programa “Sim, eu posso!” dão exemplo de perseverança e crença num mundo melhor e mais justo.

Decerto, não deve ser fácil, para quem deixou o Maranhão com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, enxergar nas políticas públicas que visam melhorar os indicadores sociais, obra estruturante.

Basta lembrar que em pleno século 21, os tais críticos deixaram o Maranhão com ensino médio em apenas 58 dos 217 municípios do estado; um dos maiores índices de analfabetismo do país; escolas de taipa; professores com calendário regular de greves, para reivindicar melhores condições de trabalho e um tele-ensino de triste lembrança, que custou aos cofres públicos mais de R$ 100 milhões.

Para os doutos que se regozijavam com a pobreza do povo maranhense deve ser apavorante ver o Maranhão se destacar na melhoria do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb); ter os professores mais bem remunerados do país; rede de escolas com ensino em tempo integral profissionalizante; gestão democrática nas escolas; Bolsa Escola; Cidadão do Mundo; Escolas Dignas. Esta é a obra que legará ao Maranhão crescimento com justiça social.

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.


Escola Digna para mudar nossa história

Escola Digna-FDPor Flávio Dino

Paulo Freire é reconhecido no mundo todo por uma ideia transformadora: a de que a Educação é capaz de fazer as pessoas entenderem melhor o mundo à sua volta, e assim mudá-lo. Os ensinamentos deste mestre me inspiraram na decisão de ter lançado o Escola Digna, maior programa de investimento em educação da história de nosso estado. Porque tenho convicção de que é a educação o melhor instrumento de superar perversas desigualdades e obter desenvolvimento verdadeiro.

Também me inspiro na história do saudoso Leonel Brizola, que quando governou o Rio Grande do Sul, priorizou a educação, criando uma verdadeira rede de educação pública. Esse investimento criou as condições para que seu estado se transformasse em referência na qualidade do ensino ao longo das décadas seguintes. Aqui ao lado, desde que rompeu o ciclo oligárquico nos anos 90, o Ceará passou a investir em educação, construindo um caminho de melhorias em seus índices de qualidade de vida.

No Maranhão, só recentemente pudemos vencer os 50 anos de domínio oligárquico que se abateram sobre nosso estado, nos ceifando as oportunidades de desenvolvimento. Ao longo dessas cinco décadas, tentaram ludibriar a população com recorrentes promessas mirabolantes de investimentos em “grandes projetos” que nunca saíram do papel.

Não tenho dúvidas de que o processo mais seguro, para alcançar uma etapa de desenvolvimento para nosso estado, é a educação. Por isso, estamos reformando ou reconstruindo mais de 600 escolas, que representam mais da metade da rede estadual de ensino. Também assumimos a responsabilidade de colaborar com os municípios, construindo 300 Escolas Dignas onde antes as crianças aprendiam em prédios precários.

Dignidade também significa colocar lápis e caderno nas mãos das crianças. O Bolsa Escola, do Governo do Estado, já investiu R$ 100 milhões no maior programa estadual de apoio à compra de material escolar do País, que também gera negócios em milhares de pequenas empresas em todos os municípios.

Criamos 18 escolas de tempo integral, sendo 7 IEMAs (Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão), número este que será dobrado no próximo ano. Democratizamos a gestão das escolas, com a eleição direta de gestores e com as escutas pedagógicas. E valorizamos os professores, pagando um dos maiores salários do país para docentes com carga horária de 40 horas semanais.

Nossas ações, ainda em etapa inicial, já começam a dar resultados. É o que pode ser visto pelo IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Revertemos uma tendência de queda no índice e já avançamos em 2016. Em 2018, tenho a convicção de que vamos colher o mais alto índice da nossa história.

Não vamos parar até que a educação do nosso Estado saia dos últimos lugares. Ontem mesmo estava em Santo Antônio dos Lopes, inaugurando mais uma Escola Digna, de um total de cinco inauguradas em uma semana. Lá vi professores chorando, alunos cantando e declamando poemas, funcionários orgulhosos. Garanto a vocês: não há presente maior para mim, pois em cada jovem estudante vejo os jardineiros que estão a semear uma sociedade mais justa e fraterna.

Advogado, 49 anos, Governador do Maranhão. Foi presidente da Embratur, deputado federal e juiz federal.


Vereadores e lideranças vistoriam obras do Escola Digna em Marajatiua Bequimão

Escola Digna-MarajatiuaOs vereadores Fredson (PCdoB), Raquel Paixão (PSDB) e Danilo Gusmão (PDT), acompanhados do assessor de Articulação Política do governo na regional de Pinheiro, Heliézer Soares, vistoriaram na manhã desta quinta-feira (7), as obras do programa Escola Digna, no povoado Marajatiua em Bequimão.

Também acompanharam a vistoria o presidente do PSDB de Bequimão, César Cantanhede, o ex-vereador Elanderson, além de moradores do povoado.

Segundo Heliézer, a vistoria foi realizada visando buscar informações in loco do andamento em tempo real e acompanhar o cronograma de execução da obra. A escola terá duas salas de aula, banheiros, pátio, direção.

“Agradecemos o governador Flávio Dino pelo trabalho que vem desenvolvendo com ações em vários municípios e Bequimão tem sido um dos que mais tem recebido a atenção do nosso governador. Bequimão já foi beneficiado com a construção da Ponte do Balandro, CRAS, Sistemas de Abastecimento de Água, distribuição de sementes e assessoria técnica aos pequenos produtores, programa Diques da produção no Povoado Jacioca, Carreta da Mulher, IEMA… Enfim, diversas ações e agora também sendo contemplado com o programa Escola Digna, aqui no povoado Marajatiua e outra no povoado Santa Rita. Obras realmente de grande relevância para nossa população”, afirmou Fredson.
Marajatiua-Escola

A obra integra o programa Escola Digna, criado pelo governador Flávio Dino, que substitui escolas de taipa, barro e palha por escolas de alvenaria. Até 2018, serão entregues 300 novas escolas em todo Estado.

O investimento para construção da escola no povoado de Marajatiua é de R$ 347 mil e vai beneficiar alunos do povoado e região. Também está em construção uma unidade do Escola Digna no povoado Santa Rita em Bequimão.

 


A educação transformadora das Rivânias

untitledROBSON PAZ

Vem de uma menina de oito anos a imagem simbólica e um dos mais belos exemplos recentes do país, envolto em caos político, econômico e institucional. Negra, simples e de sabedoria singular, a pequena pernambucana Rivânia deu uma aula de fé e esperança ao deixar a casa inundada pela enchente e ajoelhar-se na jangada abraçada ao que julgou ter maior importância em sua vida: os livros.

A menina, que sonha em ser professora ou enveredar pela medicina deu uma aula ao Brasil. O conhecimento é o caminho capaz de fazer com que o país possa ter uma sociedade mais justa, fraterna, igualitária e inclusiva.

Criou-se nos últimos anos a ideia de que o Brasil será “salvo” por “justiceiros”, que combatem a corrupção. Esta é uma chaga. Disto ninguém duvida. E por isso mesmo, precisa ser permanentemente combatida. Mas, não só.

Na humildade e mansidão de suas palavras, aquela criança nos mostra que mesmo na dificuldade a educação precisa ser prioridade. É esta que em grande medida proporciona a verdadeira libertação e o desenvolvimento de uma sociedade.

A educação é uma obra de longo curso. Talvez nisto esteja explicação para tão pouco apreço por parte de ocupantes de cargos executivos, salvo raras e honrosas exceções. Poucos foram os políticos que tomaram a educação como bandeira. No âmbito nacional, temos experiências exitosas do saudoso Leonel Brizola e Darcy Ribeiro. Brizola teve entre suas marcas a inauguração de milhares de escolas e apoio aos alunos dando-lhes condições e incentivos. Foi o responsável pela implantação dos CIEPs. Iniciativas exitosas, que mereceram recente referência de Caco Barcelos, um dos grandes jornalistas do país. E certamente lembrada por milhares de alunos alcançados por este projeto de educação inclusivo.

No Maranhão, o também saudoso ex-governador Jackson Lago teve sua trajetória política construída tendo como um dos marcos os investimentos em educação. À frente da prefeitura de São Luís, a capital do Maranhão teve o maior investimento na rede de ensino municipal ampliando exponencialmente o número de vagas e a construção de escolas. Feito repetido em nível estadual no curto período em que esteve no comando do governo.

Hoje, vemos com alegria o governador Flávio Dino abraçando a causa da educação como prioridade do governo. Realizando sonhos com a construção de escolas dignas. São mais de 570 escolas reconstruídas, reformadas, construídas. Implantação de 18 escolas de educação integral, sete destas profissionalizantes; iniciativa inédita no Estado. Professores valorizados e capacitados. Participação das famílias no processo educacional com a democratização da gestão escolar, com a eleição direta para gestores. Alunos da rede pública de ensino com acesso a programas de intercâmbio em outros países. Bolsa Escola para estimular permanência das crianças nas escolas. Oportunidade que as milhares de Rivânias do Maranhão agradecem por poder sonhar com um futuro melhor amparadas num presente, em que prevalecem a dignidade e o conhecimento.

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM


Escola Digna para nossa gente

8c37c86b-0047-4baa-9c0c-831250c1cd91-260x170Por Flávio Dino

Este março que se encerrou encheu-me de alegria pelas realizações a que chegamos. Tivemos uma escola inaugurada a cada dia útil, no âmbito do maior programa educacional da história do Maranhão, que está em andamento. Inspirado em outras revoluções educacionais, hoje temos ações que percorrem do ensino fundamental à pós-graduação, abrindo oportunidades para centenas de milhares de crianças e jovens.

Muitas dessas escolas novas são estruturas inéditas nas cidades ou substituição de antigas escolas de taipa ou barracões. São alguns dos frutos de uma caminhada corajosa que começamos há dois anos. Alguns ainda não entenderam que priorizamos os mais pobres, os que mais precisam, pois isso é condição para que tenhamos uma sociedade justa e verdadeiramente desenvolvida.

Minhas inspirações vêm também da história de outros estados: das experiências administrativas transformadoras de Leonel Brizola no Rio Grande do Sul; de Darcy Ribeiro no Rio de Janeiro e de Paulo Freire ao longo de sua vida. Brizola marcou sua gestão como governador gaúcho com a inauguração de escolas primárias, técnicas e ginásios, criando uma verdadeira rede de educação pública. Esse investimento criou as condições para que seu estado se transformasse em referência na qualidade do ensino ao longo das décadas seguintes.

Nos anos 80, quando eleito governador do Rio de Janeiro, Brizola escolheu o antropólogo Darcy Ribeiro como secretário de Educação. Lá eles criaram um novo paradigma com os Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs) – unidades em tempo integral que ofertavam ensino, atividades esportivas e culturais.

Outra grande inspiração para qualquer gestor público de educação é Paulo Freire. No governo João Goulart, Freire elaborou um Plano Nacional de Educação que previa a alfabetização massiva de jovens e adultos. Mais um dos muitos projetos interrompidos pelo golpe militar daquele ano. E um dos desafios que nos resta até hoje.

Após o exílio, Freire teve mais uma chance de implementar as idéias que o transformaram em cânone da educação no mundo. Na Secretaria de Educação da Prefeitura de São Paulo, adotou metas que marcaram um caminho que permanece atual e que vamos percorrendo. Paulo Freire elegeu como metas a democratização da gestão, o acesso à rede pública de ensino e a qualidade da educação.

No Maranhão, a democratização da gestão tem se efetivado com a eleição direta de gestores e com as escutas pedagógicas. Em 2015 e 2016, mais de 600 mil pessoas votaram nos processos de escolha dos gestores escolares, substituindo o modelo antigo de mera indicação política.

O acesso à rede de ensino público vem sendo ampliado com obras de melhoria de nossa estrutura física. Até o meio do ano, vamos chegar a 574 escolas reformadas ou totalmente reconstruídas. E outras 300 novas construções até o final de 2018 substituindo escolas de taipa, galpões ou outras estruturas precárias.

A permanência das crianças e adolescentes na escola temos garantido com o Programa Bolsa Escola, com as 18 escolas de tempo integral, com ações de estímulo ao protagonismo juvenil e de atividades de esporte e cultura nas escolas.

Temos elevado a qualidade no ensino mediante a soma das ações acima com a valorização do corpo docente. A partir de 1º de maio, teremos os professores de ensino médio mais bem pagos do país, com salário inicial para 40 horas de R$ 5.384,26. E vamos continuar a avançar nesse terreno.

Nosso estado, depois de 50 anos de escuridão, começa a ver o sol raiar no horizonte. E para que esse processo se complete, estamos tendo a coragem de percorrer o caminho certo, mas que exige tempo para produzir todos seus resultados positivos: o caminho da educação. Esse é o principal exemplo que emana dos países mais desenvolvidos do mundo.

Advogado, 48 anos, Governador do Maranhão. Foi presidente da Embratur, deputado federal e juiz federal.


Município de Alcântara recebe escola que beneficiará 2.400 mil alunos

4ecb5918-66d2-44d9-b55b-ab5cc72891cd-1024x682A escola Aquiles Batista Vieira, em Alcântara, é um dos quatro centros de ensinos que foram entregues nesta sexta-feira (29), do programa “Escola Digna”, que reconstrói as unidades, transformando-as em um espaço salubre, digno e acolhedor, para que a dinâmica do processo de ensino e aprendizagem seja prazerosa e transformadora.

As entregas desta sexta-feira beneficiam aproximadamente 2.400 alunos. Ao todo, o Governo do Maranhão está investindo na reforma e reconstrução de mais de 60 unidades da rede estadual de ensino, que irão atender cerca de 40 mil estudantes em 36 cidades. Os investimentos somam mais de R$ 90 milhões.

Em Alcântara o investimento foi de R$ 1.345.92,03 para contemplar 400 alunos, que lutavam por um ensino mais humanizado. “A reforma foi muito boa para todos. Antes dessa nova estrutura, os professores, e nós alunos, tínhamos dificuldades. Na sala de aula, o sol invadia e não conseguíamos enxergar o que estava escrito no quadro. Outro ponto foi a climatização, que acabou com a agonia que tínhamos por conta do calor. Era desumano e chegávamos até adoecer. Com essa melhoria o ritmo de aprendizado será outro”, elogiou a estudante do ensino médio da escola, Layanna dos Santos Soares.f20f0888-4d0a-4d66-9335-78239819d033-1024x682

Na cerimônia de entrega, o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, que representou o governador, falou do empenho do governo em levar essas melhorias na educação para todo o Maranhão. “A recuperação da escola em Alcântara é mais um marco para o Maranhão. Apresentar essa melhoria para toda a comunidade escolar, entre alunos e professores, é essencial para todos aqueles que precisam de educação. O ensino é o único caminho para a melhoria da qualidade de vida do povo maranhense”, pontuou Tavares.

Emocionado com o que aconteceu nesta sexta-feira (29), o gestor do Centro de Ensino Aquiles Batista Vieira, Mauro Brito, falou sobre a sua história na unidade escolar. “Eu estudei aqui na década de 80, quando a escola ainda estava com sete anos de inaugurada e não existia prédio próprio e nem o Ensino Médio, apenas o fundamental”. Por este motivo, Brito se mudou para São Luís para concluir os estudos. “Na década de 90 eu retornei e prestei concurso para lecionar na escola. No ano passado, fui eleito a gestor. Nessas três décadas, existiram diversas situações, tendo que usar escola emprestada pela prefeitura ou em prédios alugados pelo Estado”.

O gestor conta, também, que em 2005 veio a construção da sede própria, mas em 2010 apareceram diversos problemas. “No entanto, com a reforma realizada agora por essa gestão onde climatizaram os ambientes e deram uma melhoria na parte hidráulica e elétrica, nós estamos com esperança de resgatar o nosso alunado e a expectativa deles”, finalizou.