Folha de S.Paulo: Maranhão é o 2º Estado que mais ampliou investimento em Segurança

Folha S. Paulo - SegurançaMAO Maranhão é segundo Estado em todo o Brasil que mais aumentou os investimentos em Segurança Pública, de acordo com reportagem publicada nesta segunda-feira (5) no jornal Folha de S.Paulo.

Entre 2015 e 2017, o Governo do Maranhão ampliou em 26% os investimentos na área, atrás apenas do Piauí. Em números absolutos, foram mais de R$ 1,5 bilhão investidos pelo Maranhão no combate à violência em 2017.

Os 26% de aumento são bem maiores do que a média nacional de 1% de ampliação dos investimentos na área no mesmo período.

Além disso, onze Estados tiveram redução de gastos com a Segurança Pública, ainda segundo a Folha de S.Paulo.

Os investimentos do Maranhão na área têm se refletido na expressiva redução da criminalidade. O número de homicídios na Grande São Luís, por exemplo, caiu 40% em 2017 na comparação com 2014. Em fevereiro deste ano, a queda foi de 60% na comparação com o mesmo mês de 2014.

Hoje o Maranhão tem a maior tropa de policiais da história, passando de 12 mil profissionais. Desde 2015, mais de 800 viaturas foram entregues.

Veja aqui a reportagem da Folha: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/03/rio-lidera-reducao-de-gastos-em-seguranca-e-perde-r-888-milhoes.shtml


Troféu macabro

Por Eliane Cantanhêde / Folha de S. Paulo

BRASÍLIA – Segundo a governadora Roseana Sarney e seus aliados, o problema do Maranhão é que está “mais rico”, tem o 16º PIB do país e cresceu 10,3%, a maior taxa do Nordeste. O Maranhão, porém, disputa com Alagoas o troféu de pior em tudo. Vejamos.

Feudo dos Sarney, o “rico” Maranhão tem a pior renda per capita (R$ 360) da Federação. Depois vêm Piauí e a onipresente Alagoas.

O efeito óbvio é no IDH estadual, que mede o desenvolvimento humano e o bem estar das pessoas. Aí, Alagoas “vence” e fica em último. Maranhão, em penúltimo.

Em número de miseráveis, Maranhão e Alagoas se alternam no primeiro e no segundo lugar. Pelo PNUD, a taxa de pobreza extrema no Maranhão é de 22,5%.

Saneamento e educação: 96% das casas do Maranhão não têm saneamento decente e quase um quinto dos maranhenses acima de 15 anos não sabem ler nem escrever.

E o desastre nos testes de aprendizado? Pelo Pisa, programa internacional de avaliação de estudantes, o Maranhão ficou em penúltimo em leitura, matemática e ciências, as três áreas consideradas, e só não tirou o troféu de pior do país porque foi “vencido” por Alagoas.

Não custa lembrar que educação e desempenho escolar apontam para o futuro. Ou seja: ruim está, melhor nenhum dos dois vai ficar.

Há uma diferença, entretanto, entre os lanterninhas brasileiros. Alagoas, hoje governado pelo ex-senador e ex-presidente nacional do PSDB Teotonio Vilela, é vítima de oligarquias que fatiaram aquele lindo Estado e vêm-se alternando no poder desde sempre. Já o Maranhão é propriedade de uma única família há meio século.

Sarney carimbou seu nome em escolas, hospitais, vilas e avenidas, mas isso é só ilustração. O pior foi eleger testas de ferro para o governo: seu médico particular, seu carregador de malas… Todos comem lagosta e caviar. O Estado virou isso.


Governo Roseana Sarney faz licitação para comprar 80 kg de lagosta

Noticia divulgada pela Folha de São Paulo indica ainda que gastos com alimentos para o Palácio dos Leões e casa de praia usada pela governadora são estimados em R$ 1 milhão

Do Maranhão da Gente

lagostaEm entrevista concedida ao jornal O Estado do Maranhão, de propriedade da sua família, a governadora Roseana Sarney disse que o estado é pobre e não tem condições de ficar custeando a construção de presídios, porém no item alimentação palaciana, a preocupação com os gastos não atinge o mesmo nível.

Na coluna painel de hoje o jornal Folha de São Paulo revela que o governo do Estado esta realizando uma licitação para comorar 80 kg de lagostas e outras iguarias que devem abastecer tanto a residência oficial quanto a casa de praia da governadora.

A lista inclui ainda uma tonelada e meia de camarão e 750 kg de patinha de carangueijo, duas toneladas de peixe e mais cinco toneladas de carne bovina e suína. 50 caixas de bombons e trinta pacotes de biscoitos champagne,

A previsão dos gastos com estas iguarias, no melhor estilo “ caviar”, as quais a maioria da população maranhense nunca viu nem conhece ou só ouve falar, como dizem os versos de uma canção de Zeca Pagodinho são estimados em R$ 1 milhão.

E o primeiro pregão destinado a aquisição de todo este suprimento destinado a abastecer a rica dispensa da residência oficial da governadora está agendado para amanhã com o valor de R$ 617 mil.